«O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.»

(Aristóteles [384 a.C. – 322 a.C.] – filósofo grego, discípulo de Platão)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Dinheiro não compra bom sistema educacional, diz estudo da OCDE

Agência Efe

Países que mais gastam por aluno não necessariamente têm os melhores desempenhos

Os países que mais investem em educação por aluno entre os 6 e os 15 anos não são necessariamente os com melhor rendimento dos estudantes, segundo análise do Pisa divulgada nesta quinta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).


O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa, na sigla em inglês), criado em 2000, avalia a cada três anos o desempenho escolar de estudantes de 15 anos em todo o mundo.


"O dinheiro sozinho não pode comprar um bom sistema educativo", destacou a organização em seu relatório "Pisa in Focus", cuja conclusão é de que os países com melhores resultados nas provas de 2009 são aqueles que acreditam que "todas as crianças podem ter êxito na escola".


Segundo a organização com sede em Paris, uma das chaves do sucesso dos sistemas de educação é considerar que todos os alunos podem ter sucesso e não deixar que aqueles com problemas faltem, repitam de ano ou sejam transferidos para outras salas ou agrupados em classes diferentes em função de suas habilidades.


"Superada a barreira de uns US$ 35 mil por estudante" de investimento acumulado por aluno entre os 6 e os 15 anos em unidades monetárias harmonizadas, o gasto "não está relacionado ao resultado", indicou a OCDE.


A organização citou como exemplo países que investem mais de US$ 100 mil por aluno, como Estados Unidos, Suíça, Luxemburgo ou Noruega, e que obtêm resultados similares a países que gastam a metade disso, como Estônia (US$ 43 mil), Hungria (US$ 44 mil) ou Polônia (US$ 39 mil).


Os dois países com melhores resultados nas últimas provas do Pisa - Finlândia, com US$ 71 mil, e Coreia do Sul, com US$ 61 mil - estão muito distantes dos que mais investiram (como Luxemburgo, com US$ 155 mil acumulados por aluno, ou a Suíça, com US$ 104 mil).


O Chile investe por aluno US$ 23 mil, mais do que o México (US$ 21 mil). Ambos investem mais que países associados (mas não membros) à OCDE, como Brasil (US$ 18 mil) e Colômbia (US$ 19 mil).


Todos superam a Turquia, que com US$ 12 mil de investimento por aluno é a lanterna dos 33 Estados-membros da OCDE.


Investimento nos professores


Outro dos fatores cruciais detectados pela OCDE é que os países com melhores resultados nas provas trianuais de compreensão da leitura, matemática e ciências naturais são aqueles que mais investem nos professores.


Os professores de ensino médio da Coréia do Sul e de Hong Kong, ambos com excelentes resultados no Pisa, ganham "mais que o dobro do PIB per capita médio em seus respectivos países"


"Em geral, os países com bons resultados no Pisa atraem os melhores estudantes para a profissão de professor, e lhes oferecem salários mais altos e grande status profissional", indicou a OCDE.


Ainda assim, a organização precisou que essa relação entre professores e resultados não se verifica entre os países menos ricos.


Fonte: ESTADÃO.COM.BR/Educação - 16 de fevereiro de 2012 - 14h03 - Internet: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,investir-mais-em-educacao-nao-garante-melhores-resultados-no-pisa,836732,0.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.