«Quem em uma situação como esta, de injustiça social e repressão criminal, escolher o caminho da passividade e erguer a bandeira hipócrita da imparcialidade política torna-se cúmplice do mal.»

(Silvio José Báez – bispo-auxiliar de Manágua, Nicarágua, clamando contra a violência e repressão do governo de Daniel Ortega)

Quem sou eu

Jales, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

domingo, 16 de setembro de 2012

O que está por trás da onda de protestos nos países árabes?


Shashank Joshi *

Pesquisador de Harvard analisa aumento do sentimento de antiamericanismo após filme polêmico

Shashank Joshi
Mais de três anos atrás, o presidente americano, Barack Obama, disse a uma plateia no Cairo que "nós nos encontramos em uma época de grande tensão entre os Estados Unidos e os muçulmanos ao redor do mundo". Seu discurso, entitulado Um Novo Começo, buscava transcender a animosidade da era Bush.

Esta semana, enquanto protestos se espalharam pelo norte da África e Oriente Médio, Obama pode ter-se perguntado: o que deu errado?

A verdade é que não há uma explicação única.

Uma resposta é que a onda de revoltas políticas do ano passado, conhecida como a Primavera Árabe, é responsável.

Afinal, os protestos começaram no Egito, que no ano passado tornou-se a democracia mais populosa do mundo árabe, e se espalhou para a Líbia, que tornou-se a maior em área geográfica.

A Primavera Árabe, de fato, deu força a uma série de movimentos islâmicos e enfraqueceu as capacidades de reforçar a lei destes países.

Neste ambiente político febril, os protestos podem ter tido mais facilidade para começarem, mais simplicidade de serem explorados por extremistas, e mais dificuldade de serem gerenciados por forças de segurança confusas.

O filme como estopim

Mesmo assim, só isso não explica por que alguns dos episódios de violência mais sérios desta semana ocorreram no Sudão, e outras manifestações em locais geralmente mais calmos, como o Catar.

Além disso, tal tipo de violência já ocorre muito antes da Primavera Árabe e frequentemente ocorria sob os olhos de ditadores, sendo os exemplos mais recentes as reações à publicação de charges do Profeta Maomé por um jornal da Dinamarca, em 2006.

O segundo argumento é que estamos testemunhando um profundo sentimento de antiamericanismo, silencioso por grande parte do ano passado, fundido ao extremismo religioso, tendo o controverso filme Innocence of Muslims (Inocência dos Muçulmanos, em tradução livre), apenas como estopim.

De acordo com uma pesquisa de opinião do instituto Pew, de junho deste ano, apenas 15% das pessoas em países muçulmanos têm uma opinião positiva dos Estados Unidos, uma redução em comparação aos 25% de 2009.

As pesquisas indicam que o sentimento de antiamericanismo se origina de uma série de queixas, entre elas:

  • a política externa de Washington com relação ao conflito entre israelenses e palestinos
  • as guerras dos EUA no Oriente Médio (Iraque e Afeganistão) e 
  • o apoio americano a ditadores da região.

A ironia é que, enquanto Barack Obama é muitas vezes ridicularizado por seus críticos no Ocidente por apoiar revoluções de forma ingênua, a maior parte dos árabes vê suas ações como demasiadamente tardias e insuficientes.

Na Tunísia, por exemplo, somente um terço da população acredita que a resposta americana à revolução teve um impacto positivo.
Muçulmanos no Paquistão grutam slogans anti-EUA em protesto neste sábado (15)
contra filme anti-islã. (Foto: Aamir Qureshi/AFP)
Nuances

É necessário, no entanto, diferenciar o sentimento de antiamericanismo do extremismo religioso.

Há várias nuances neste campo entre a população atual de alguns dos países envolvidos nos protestos mais violentos que ocorreram nesta semana.

Aqueles com menos de 35 anos, por exemplo, tendem a agir muito mais por motivação política do que religiosa. As pessoas dessa faixa etária, vistas como o verdadeiro motor por trás da Primavera Árabe, têm probabilidade muito menor de rezar diversas vezes ao dia, ir à mesquita regularmante ou ler o Alcorão diariamente.

Há números que também chamam a atenção. No Egito, 35% da população querem que as relações com os EUA permaneçam fortes, e 20% querem que a aliança se solidifique ainda mais. Na Tunísia, 60% dizem gostar dos ideais democráticos americanos e na Líbia 54% aprovam a liderança de Washington.

Os desafios para os EUA, no entanto, são cruciais. Legalmente, há muito pouco que Washington pode fazer para conter a divulgação do vídeo e a política externa não deve ser alterada para atender a queixas regionais.

As intervenções de Obama no conflito entre israelenses e palestinos, por exemplo, acabaram de forma humilhante anos atrás, após terem sido rejeitadas por Israel. Além disso, o programa nuclear do Irã ofuscou o processo de paz.

Mohammed Mursi - presidente egípcio
Egito e desafios

A maneira com que o governo egípcio vem lidando com os protestos abalou a confiança de dos EUA no novo presidente, Mohammed Mursi, que apesar da contínua dependência militar e financeira de Washnigton hesitou em condenar os protestos.

A declaração de Obama "Eu não acho que consideraríamos [o Egito] um aliado, mas não os consideramos um inimigo" mostra como as relações entre os dois países está mudando.

Veremos mais pressão para que os EUA deixem o Oriente Médio, passem a utilizar "embaixadas fortificadas" e acelerem o processo de focar mais atenção na Ásia.

A ironia é que justamente no momento em que os governos pós-revolucionários mais precisam de ajuda para construir suas instituições, pequenos grupos de suas populações estão tornando a tarefa muito mais difícil.

* Shashank Joshi é pesquisador do instituto Royal United Services, um grupo de pesquisa na área de defesa, e doutorando em relações internacionais na Universidade de Harvard, nos EUA. 

Fonte: ESTADÃO.COM.BR - Internacional - 15 de setembro de 2012 - 21h06 - Internet: http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,o-que-esta-por-tras-da-onda-de-protestos-nos-paises-arabes,931171,0.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.