«Daqui a alguns anos estarás mais arrependido pelas coisas que não fizeste do que pelas que fizeste. Solta as amarras! Afasta-se do porto seguro! Agarra o vento em suas velas! Explora! Sonha! Descubra!»

(Mark Twain [1835-1910] – escritor e humorista norte-americano)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

“Não há humildade sem humilhação” - diz o Papa

Redação

Nesta segunda-feira, Papa Francisco afirmou em sua homilia na
capela da Casa Santa Marta:
«Se você não é capaz de aceitar algumas humilhações em sua vida,
você não é humilde»
PAPA FRANCISCO
celebrando a Eucaristia na capela da Casa Santa Marta (Vaticano)

O Papa Francisco, em sua homilia na primeira missa realizada em fevereiro na capela da Casa Santa Marta, destacou que a humildade é o caminho da santidade. Ele refletiu sobre a história do Rei Davi que consciente de seu pecado, aceita a humilhação confiando no Senhor. Francisco explicou que Deus perdoa o pecado, “mas as feridas de uma corrupção dificilmente se curam”.

O Rei Davi “está a um passo de entrar na corrupção”, mas o profeta Natã, enviado de Deus, lhe faz entender o mal que havia feito. Francisco recordou que Davi é pecador, mas não corrupto, porque, “um corrupto não se dá conta de que é corrupto”. E explicou que “é necessária uma graça especial para mudar o coração de um corrupto” e Davi, que tinha o coração nobre, reconhece a sua culpa. Natã diz: “O Senhor perdoa o seu pecado, mas a corrupção que você semeou crescerá. Você matou um inocente para encobrir um adultério. A espada nunca se distanciará de sua casa”.

Por isso, o Santo Padre afirmou que “Deus perdoa o pecado, Davi se converte, mas as feridas de uma corrupção dificilmente se curam. Vemos isso em muitas partes do mundo”, acrescentou ele. Davi deve enfrentar o filho Absalão, que faz guerra contra ele. Mas o rei reúne o seus e decide deixar a cidade e permite à Arca de voltar, não usa Deus para se defender. Ele vai embora “para salvar o seu povo”. “Este é o caminho de santidade que Davi, depois daquele momento em que entrou na corrupção, começa a percorrer”.

O Papa continuou sua homilia recordando que Davi chorando e com a cabeça coberta, deixa a cidade e tem quem o segue para insultá-lo. Entre estes, Semei, “chamado de sanguinário”. Davi aceita isto porque, como disse o Papa, “se amaldiçoa, foi porque o Senhor lhe disse”.

O Papa continuou explicando que “Davi sabe reconhecer os sinais: é o momento da humilhação, é o momento no qual ele está pagando sua culpa”. E acrescentou: “Este é o percurso de Davi, do momento da corrupção a esta entrega às mãos do Senhor. E esta é santidade. Esta é humildade”.

“Eu – continuou Francisco – penso que cada um de nós, se alguém nos diz algo, uma coisa feia, de imediato procuramos dizer que não é verdade”. Ou fazemos como Semei: “Damos uma resposta ainda pior”. 
REI DAVI (Desenho)

Por outro lado, o Santo Padre esclareceu que “a humildade pode chegar somente a um coração por meio das humilhações. Não há humildade sem humilhação, e se você não for capaz de ter algumas humilhações na vida, não será humilde”.

Por fim, o Papa destacou que “a única estrada para a humildade é a humilhação. O fim de Davi, que é a santidade, chega por meio da humilhação. O fim da santidade que Deus dá a seus filhos, presenteia à Igreja, vem por meio da humilhação de seu Filho, que se deixa insultar, que se deixa levar à Cruz, injustamente. E este Filho de Deus que se humilha –concluiu Francisco – é o caminho da santidade. E Davi, com a sua atitude, profetiza esta humilhação”.

O Bispo de Roma convidou a pedir ao Senhor “a graça, para cada um de nós e para toda a Igreja, a graça da humildade, mas também a graça de compreender que não é possível ser humilde sem humilhação”.

Fonte: ZENIT.ORG – Segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.