«No regime neoliberal da autoexploração a agressão é dirigida contra si mesmo. Esta autoagressividade não converte o explorado em revolucionário, mas em depressivo.»

(Buyng-Chul Han [Seul, 1959] – filósofo e ensaísta sul-coreano, professor da Universidade das Artes de Berlim, Alemanha)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Pedofilia: Vaticano confirma a obrigação de denunciar os abusos

Salvatore Cernuzio

Comissão para a Proteção de Menores reitera a
“responsabilidade ética e moral” da denúncia de abusos
PATRICK O'MALLEY
Cardeal-arcebispo de Boston (Estados Unidos) e presidente da
PONTIFÍCIA COMISSÃO PARA A PROTEÇÃO DE MENORES - VATICANO

Nunca houve tantas atenções voltadas à Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores, a equipe internacional criada pelo papa Francisco em 2014 para combater o flagelo dos abusos contra crianças e adolescentes na Igreja. Após a polêmica dos últimos dias em torno ao desligamento de Peter Saunders da comissão, foi divulgado hoje um novo comunicado, assinado pelo cardeal presidente Sean O’Malley, afirmando a:
“responsabilidade moral e ética” de denunciar “às autoridades civis”
quaisquer abusos cometidos por padres contra menores.

Na semana passada, a comissão tinha sido indiretamente arrastada para a berlinda pela imprensa de língua inglesa, que dera destaque às declarações de um expoente vaticano segundo o qual não haveria obrigação dos bispos de denunciar casos de abusos.

“Bispos católicos não são obrigados a denunciar abusos do clero contra crianças, diz o Vaticano”: esta foi a manchete, totalmente tendenciosa e mentirosa, estampada pelo jornal The Guardian, que trazia declarações de mons. Tony Anatrella, conhecido especialista em psiquiatria e psicologia, que davam a entender a suposta preparação de um novo documento da Santa Sé sobre os abusos e a pedofilia.

A Comissão teve de intervir com a seguinte declaração:

«Como o papa Francisco tão claramente afirmou, “os crimes e os pecados dos abusos sexuais contra crianças não devem nunca mais ser mantidos em segredo. Eu garanto a zelosa vigilância da Igreja para proteger as crianças e a promessa da plena responsabilidade para todos”.»
(27 de setembro de 2015), dizem as primeiras linhas do texto.

O cardeal O’Malley, em nome dos 16 membros da comissão, afirma também “que as nossas obrigações no âmbito do direito civil devem ser respeitadas, certamente, mas, para além desses vínculos, todos temos a responsabilidade moral e ética de denunciar supostos abusos às autoridades civis, que têm a tarefa de proteger a nossa sociedade”.

Continua o comunicado: “Nos Estados Unidos, os nossos bispos afirmam claramente a obrigação de todas as dioceses e eparquias e de todos os seus membros de relatar as suspeitas de abuso às autoridades públicas. Todos os anos, em nossa reunião de novembro, em uma sessão de formação para os novos bispos, esta obrigação é reiterada; e em cada mês de fevereiro, a segunda conferência propõe um programa de formação para os novos bispos que reforça de forma clara e explícita esta obrigação”.

Portanto, encerra a nota, “como comissão consultiva do Santo Padre para a proteção dos menores, partilhamos recentemente com o papa Francisco uma visão panorâmica dos esforços de educação da Comissão para as Igrejas locais ao longo dos últimos dois anos, e reafirmamos a vontade dos membros de fornecer material para os cursos oferecidos em Roma, incluindo, entre outros recursos, o programa anual de formação para os novos bispos e para os escritórios da Cúria romana, a fim de que possam ser usados em seus esforços para proteger os menores”.

Sobre o artigo leviano do jornal The Guardian, já tinha intervindo nos últimos dias o padre Federico Lombardi, explicando que tudo se referia a um relatório feito por mons. Anatrella: “La relation pastorale, l’équilibre de la vie affective des pretres, et problèmes de déviances” [tradução: A relação pastoral, o equilíbrio da vida afetiva dos padres e problemas de desvios]. O relatório tinha sido publicado no volume coletivo “Testemunhas do Ressuscitado – Atas do curso anual de formação para novos bispos”, organizado em 2015, como o é anualmente, pela Congregação dos Bispos.

“Portanto”, disse Lombardi, “este não é de modo algum (como alguém erroneamente interpretou) um novo documento do Vaticano ou uma nova instrução ou novas diretrizes para os bispos, e sim uma conferência de um perito, publicada juntamente com várias outras sobre vários temas. Anatrella não diz nada de novo ou de diferente do que foi dito até agora pelas instituições eclesiásticas competentes”.

O comunicado de imprensa de hoje foi o segundo da comissão anti-abusos no espaço de uma quinzena. O primeiro, do dia 8 de fevereiro, tratava do encontro de uma semana, nos primeiros dias do mês, em Roma, em que os membros discutiram a orientação e os objetivos da própria comissão, apresentando novas iniciativas e corroborando a decidida e capilar colaboração com os bispos das diferentes dioceses.

Pouco antes, no sábado, 6 de fevereiro, um comunicado vaticano tinha anunciado a “defenestração” de Peter Saunders da comissão. Ele é um inglês que foi vítima de abuso por parte um padre. O texto falava de “um período de expectativa da sua participação como membro a fim de refletir sobre como ele pode melhor contribuir para o trabalho da comissão”. Peter, porém, disse à mídia britânica que foi afastado sem aviso prévio – declarações mais uma vez desmentidas pelo padre Lombardi, que explicou que a saída do homem tinha sido o resultado de “uma decisão unânime dos membros da comissão, com apenas uma abstenção”.

Peter Saunders, em comparação com os outros consultores, era o mais exposto à mídia. Ele já tinha feito duras acusações, ao vivo na TV australiana, contra o cardeal George Pell, a quem acusava ​​de desprezo pelas vítimas e de sociopatia. O britânico exigia a renúncia do cardeal de posições importantes no Vaticano e, em outras ocasiões, também criticou o excesso de confiança depositado nele pelo papa. 
MARY COLLINS
Irlandesa e membro da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores

As mordazes declarações foram refutadas pela Secretaria de Economia, da qual Pell é o cardeal prefeito. A própria comissão tomou distância desses pronunciamentos e a única a quebrar o silêncio, até agora, foi Mary Collins, irlandesa, também ela abusada no passado por um padre. Em nota escrita a título pessoal para o National Catholic Reporter, ela explicou que a questão nasceu em torno à “diferença de compreensão da missão e dos poderes da comissão”.

Movida pela mesma transparência por que luta na Igreja há anos, Collins se disse “triste” pelo epílogo do caso do colega e revelou ter sido dela a abstenção na votação que levou ao congelamento da participação de Saunders. No entanto, Collins também afirmou compreender por que a maioria tinha tomado essa decisão (que não é um “voto de desconfiança”) e reiterou total confiança na comissão e nos seus membros.

Essa confiança, porém, Collins não alimenta na CÚRIA ROMANA, a quem acusa de obstruir as decisões da comissão e do próprio papa Francisco.

Estou pessoalmente frustrada com a falta de cooperação da Cúria e com o fato de que isso pode ser prejudicial para o trabalho da comissão e para a proteção das crianças no futuro. Tornou-se claro que existem na Cúria aqueles que consideram a participação da comissão quase como uma interferência no trabalho que sempre foi feito”.

Neste ponto, convém esperar e ver: essas palavras levarão os escritórios da Cúria a se moverem para a cooperação ou levarão à remoção de Mary Collins da comissão?

Fonte: ZENIT.ORG – Terça-feira, 16 de fevereiro de 2016 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.