«No regime neoliberal da autoexploração a agressão é dirigida contra si mesmo. Esta autoagressividade não converte o explorado em revolucionário, mas em depressivo.»

(Buyng-Chul Han [Seul, 1959] – filósofo e ensaísta sul-coreano, professor da Universidade das Artes de Berlim, Alemanha)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

POR QUE O PT NÃO DEU CERTO E O QUE ISTO TEM A VER COM A IGREJA?

O PT do Poder

Entrevista com José de Souza Martins
Sociólogo e Professor emérito da Universidade de São Paulo (USP)

Leonardo Coutinho

O sociólogo que viu a ascensão de Lula de perto diz que o partido nunca foi de esquerda e que sua origem eclesiástica explica a dificuldade de seus dirigentes e militantes em aceitar a divergência política
JOSÉ DE SOUZA MARTINS
Sociólogo

O sociólogo José de Souza Martins, de 77 anos, é considerado a maior autoridade no estudo dos conflitos fundiários no Brasil. Na década de 1970, ele foi pioneiro nas pesquisas sobre as frentes de colonização na Amazônia. Seus trabalhos atraíram a atenção da Igreja Católica, que apresentou suas pesquisas aos movimentos sociais. Como professor dos cursos promovidos pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ele formou lideranças e as viu fundar o Partido dos Trabalhadores (PT), em 1980, e o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), quatro anos depois.

Apesar da convivência com os dirigentes, Martins jamais fez parte dessas organizações. “Sou visceralmente contra esse negócio de intelectual militante. Ou é uma coisa ou outra. Se alguém quer fazer militância partidária, é melhor aposentar-se como intelectual, como fez Florestan Fernandes”, diz o sociólogo.

Na semana passada, chegou às livrarias o seu 45° título: Do PT das Lutas Sociais ao PT do Poder (Editora Contexto), uma coletânea de textos produzidos nos últimos catorze anos, nos quais ele observa e analisa o desempenho e as transformações do Partido dos Trabalhadores (PT). Professor aposentado da Universidade de São Paulo, Martins ocupou a Cátedra Simón Bolívar da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, pela qual passaram Celso Furtado e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Eis a entrevista.

Por que o senhor afirma em seu livro que o PT é um partido conservador?

José de Souza Martins: O Partido dos Trabalhadores surgiu no ABC paulista como uma alternativa ao comunismo. Não que fosse ideologicamente contra os comunistas, mas nunca chegou a ser um partido de esquerda. Tratava-se, do ponto de vista formal, de um partido católico. O PT foi gestado desde os anos 1950 pelo primeiro bispo de Santo André [SP], Dom Jorge Marques de Oliveira [saiba mais sobre a vida e o pensamento deste bispo abaixo, após a entrevista], como uma espécie de mediação conservadora para a luta operária. Dom Jorge me disse que os trabalhadores do ABC ficavam no Centro Operário Católico jogando pingue-pongue. Ele os incentivava a ir para a porta de fábrica. Dom Jorge inventou Lula, antes que Lula soubesse disso, ao criar as bases para o surgimento do PT.

Se o PT não é de esquerda, por que tende a demonizar tudo o que é divergente como sendo de direita?

Martins: A explicação está, mais uma vez, na influência da Igreja. Isso vem do dualismo Deus e diabo, o bem e o mal. Como aprenderam a pensar a política em termos dicotômicos, os petistas têm, em grande parte, dificuldade para lidar com a diversidade. Para eles, se o PT é de esquerda e a esquerda é o PT, qualquer coisa que difira disso é direita. É uma bobagem quando falam que o PSDB é direita, por exemplo. O PSDB é tão social-democrata quanto o PT. A direita de que falam os petistas é uma invenção. Nós não temos direita e esquerda no Brasil. A maioria da população nem sabe o que é isso. Embora Lula seja mais aberto a ideias de fora, o partido é totalmente intolerante a qualquer ponto de vista que não seja o dele. Essa é a característica do PT.

O ex-presidente Lula, porém, é quem mais se vale do discurso do “eles contra nós”…

Martins: Existem dois Lulas. Existe o Lula de extração popular, que tem uma compreensão da realidade do país muito maior do que a da maioria dos outros líderes políticos. E existe o Lula do poder. Este se utiliza dessa linguagem polarizada e dicotômica que considera fundamental para a ação política. Aliás, essa é a linguagem instrumental do PT no poder. Para Lula, a política é uma performance, um teatro. O discurso dicotômico é parte de sua forma de fazer política.

Os petistas dividiram o país?

Martins: Lula e o PT acham que falam na perspectiva da luta de classes. Mas, para haver luta de classes, as classes teriam de existir. No mundo inteiro, elas estão submersas. As classes sociais não existem mais, de certo modo. No Brasil, a classe operária almeja o consumo, a educação. Não está lutando por bandeiras de classe social. As próprias elites, para recorrer a um termo muito usado pelo PT, estão divididas. O capital financeiro diz uma coisa. O capital industrial diz outra. Eles estão preocupados com sua existência imediata. Os operários, também. Não há uma estrutura de classes que sustente o discurso petista.

Qual é a consequência dessa tentativa de dividir a sociedade?

Martins: Da política maniqueísta do PT surgem dois Brasis antagônicos. Os petistas construíram a ideia de que o povo brasileiro é separado por ricos e poderosos que desde sempre exploram o povo, de um lado, e por uma massa de pobres e oprimidos, de outro. Os opressores são todos aqueles que não são petistas. Trata-se de uma visão simplista do país. Prova disso é que muitos integrantes da elite, alguns dos quais estão entre os mais ricos do Brasil, são visceralmente ligados ao PT, como ficou comprovado nas investigações de corrupção na Petrobras.
DOM CLÁUDIO HUMMES E LULA
Na época da ditadura militar, a Igreja Católica esteve ao lado do sindicalismo liderado por Lula,
pois representava uma opção ao sindicalismo orientado pelos comunistas,
e uma busca de vida melhor para os operários.

Por que o PT insiste nessa estratégia?

Martins: Existem no mínimo três PTs, e não me refiro às suas facções organizadas internas. Existe o PT operário, que é o do Lula, o PT dos intelectuais, que vem de uma certa crítica ao Partido Comunista, e o PT popular, ligado às pastorais católicas. Quando Lula se tornou presidente, os grupos mais populares dentro do partido e também fora dele viram a sua vitória como um profetismo católico. Dom Tomás Balduíno, que foi fundador e presidente da Comissão Pastoral da Terra, dizia que o governo Fernando Henrique Cardoso não fazia a reforma agrária por falta de vontade política. Mas quando o PT chegou ao poder, em 2003, com a suposta vontade política, nada aconteceu. O grande partido dos setores progressistas da Igreja não fez o esperado. A reforma agrária do PT é inferior até à que foi realizada no governo de José Sarney, em termos de quantidade e intensidade. Quero dizer com isso que não se trata de vontade política, mas de questões práticas. Embora a agricultura familiar seja responsável pela produção de grande parte dos produtos que alimentam o Brasil, como o feijão, quem traz dividendos para o país é o agronegócio.

Qual foi o erro mais grave de estratégia cometido pelo PT?

Martins: Antes de o PT chegar ao Planalto, havia uma expectativa de que seria o partido do povo no poder. Essa era uma utopia muito forte nos movimentos de base. Para ser um partido do povo, porém, o PT jamais deveria ter aspirado ao poder. Deveria ter se mantido na missão de fiscalizar, investigar e apontar falcatruas de toda ordem. Antes de conquistar os postos do Executivo, o PT definia que todo poder era corrupto. Só que ninguém chega ao poder fazendo de conta que não está no poder. Lula era mestre nisso. Descia o sarrafo no poder como se não tivesse nada a ver com ele.

Por que, apesar de todos os escândalos, ainda há quem se iluda com o PT utópico dos anos 1980?

Martins: Os protestos a favor do governo, ou contra quem o crítica, expressam o fato de que nenhuma outra legenda se organizou em padrões tão corporativos quanto o PT. A mentalidade corporativa dos petistas dá ao partido muita força de mobilização. Trata-se de uma lealdade quase religiosa. Está ruim, mas é o PT. Está ruim, mas sou corintiano. Está ruim, mas sou católico.

Como o senhor observou o mergulho do PT no lamaçal da corrupção?

Martins: Muita gente dentro dos movimentos sociais e do PT cultivava a ideia de que era possível associar-se ao capitalismo para expropriá-lo. A intenção era unir-se a ele [ao capitalismo] para comê-lo por dentro. Deu tudo errado. Acreditava-se na possibilidade de uma corrupção altruísta, a ideia de que práticas arraigadas como a propina dos 10% para ganhar uma concorrência estavam liberadas desde que o dinheiro voltasse para o partido. Mas era corrupção do mesmo jeito, e, como já comprovou a Justiça, os desvios foram muito além do pretenso altruísmo.
JOSÉ DIRCEU (à direita, junto à porta): 
O ex-ministro da Casa Civil sendo preso pela Polícia Federal
na manhã da segunda-feira, 3 de agosto de 2015, em Brasília, na 17ª fase da Operação Lava Jato
Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Alguns dos principais dirigentes do partido foram presos por corrupção. Como Lula passou incólume pelo escândalo do mensalão?

Martins: Lula, por ser muito inteligente e hábil, sempre agiu de maneira a não parecer o responsável por aquilo que corria paralelamente ao gabinete presidencial. Certamente é o que acontece, em níveis distintos, em todos os governos. O presidente da República não tem controle total sobre o que fazem seus ministros [costuma-se pensar]. Essa estratégia ficou clara no caso do mensalão. Lula manteve-se à margem do escândalo. Observei algo semelhante nas pesquisas que realizei sobre a ocupação da Amazônia nos anos 1970. Havia uma escala do mal. As pessoas achavam que o primeiro responsável pela violência era o pistoleiro. Em segundo, vinha o administrador da fazenda, depois o dono. O governo era o último a ser responsabilizado. Lula foi beneficiado por essa mentalidade. Os brasileiros acreditavam que os outros políticos estavam abusando da confiança do presidente.

Como ex-presidente Lula terá a mesma capacidade de manter-se imune aos casos de corrupção que estão sendo descobertos em sua órbita?

Martins: Longe do poder, ele perdeu essas barreiras de proteção. Mas ainda se beneficia de seu imenso carisma junto à população.

Qual sua opinião sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff?

Martins: Também existiu a possibilidade objetiva do impedimento de Lula em 2005. Ficou bastante claro que ele tinha medo de que isso ocorresse. Lula chegou a ficar politicamente paralisado durante vários dias. Ele estava convencido de que seu mandato havia terminado. Agora, estamos novamente discutindo a possibilidade de impedimento da presidente. O que vou dizer não significa que sou contra ou a favor do impeachment. Penso nas consequências históricas do processo. Se levarmos em conta que o sucessor de Dilma seria o Michel Temer, que também tem problemas, e que a sucessão de ambos passa por Eduardo Cunha, cujas pendengas com a Justiça são ainda maiores do que as dos outros dois, não vejo urna saída saudável para o Brasil. Se todos tiverem de ser removidos até a convocação de um novo pleito, levaria tanto tempo que seria melhor esperar pelas eleições de 2018. A sociedade e os políticos lúcidos têm de mostrar que são capazes de administrar o país até a próxima eleição. Não devem pairar dúvidas em um processo tão sério como esse.

A oposição defende a cassação do registro do PT. Qual será o futuro do partido?

Martins: O Brasil não sairá ganhando se conseguirem destruir o PT. Mas o país também não será beneficiado com a permanência deste PT aparelhável e instrumentalizável no poder. O PT tem de amadurecer e virar um partido moderno, o que não conseguiu ser até hoje. Não adianta dizer que o que aconteceu com o PT nos últimos anos é culpa da direita. É tudo culpa do próprio PT. Isso é o mais surpreendente. Não há inimigos atuando nos bastidores. Quem está destruindo o PT são os amigos do PT.

Fonte: Revista VEJA – Edição 2463 – Ano 49 – Nº 5 – 3 de fevereiro de 2016 – Entrevista: páginas amarelas – Págs. 13, 16-17 – Internet: clique aqui.

Um bispo na base da criação do PT:
Dom Jorge Marques de Oliveira
DOM JORGE MARCOS DE OLIVEIRA (1915-1989)
Primeiro bispo de Santo André (SP) e inspirador  e promotor da organização operária

Dom Jorge Marcos de Oliveira nasceu na cidade do Rio de Janeiro, aos 10 de novembro de 1915, falecendo em Santo André, Estado de São Paulo aos 28 de maio de 1989. Foi, em 1954, o primeiro bispo da Diocese de Santo André, SP.

Filho de Carlos José de Oliveira e Angelina Rufo, uma família de boas condições econômicas do Rio de Janeiro. Foi cunhado do general Eurico Gaspar Dutra, presidente da República após a queda de Getúlio Vargas, em 1945. Dom Jorge ingressou no Seminário Menor em 1929, aos 14 anos, no Rio de Janeiro.

Ao atingir a etapa do Seminário Maior, veio vivenciá-la em São Paulo, no antigo Seminário Central do Ipiranga. Tendo recebido as ordens menores no decorrer de 1940, aos 8 de dezembro do mesmo ano – portanto, com 25 anos de idade – Dom Jorge é ordenado presbítero para a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Em seguida, exerce os encargos de Professor no Seminário arquidiocesano e Capelão em ambientes de recuperação moral; além disso, desempenha também a função de Assistente da Juventude Católica Independente e Universitária do Rio de Janeiro.

Em maio de 1946, o Papa Pio XII nomeia-o para o episcopado, para o qual é sagrado em outubro do mesmo ano, fazendo-o o bispo mais jovem do mundo à época, com 31 anos. Nos oito anos seguintes, exerceu o pastoreio como Auxiliar da Arquidiocese, junto com Dom Helder Câmara, mais tarde arcebispo de Olinda e Recife. Era arcebispo do Rio de Janeiro Dom Jaime de Barros Câmara.

Com a criação da Diocese de Santo André (SP), através da bula Archidiocoesis Sancti Pauli, que desmembrava seu território da Arquidiocese paulistana, Dom Jorge foi eleito seu primeiro bispo, chegando ao bispado em 22 de julho de 1954 e tomando posse aos 12 de setembro de 1954, na presença do Cardeal Giovanni Adeodato Piazza, legado papal para a ocasião.

Visando à assistência social dos mais necessitados, funda dois anos após sua chegada a Associação Lar Menino Jesus, inicialmente em regime de internato, adaptada em 1969 para semi-internato.
Dom Jorge Marcos e operários. Visita a fábrica Dario Luiz Setti

Sensibilizou-se com a questão do trabalho, numa região industrial em que os operários sofriam com as difíceis condições de trabalho. Acompanhou paralisações e procurou assistir os trabalhadores da região. Em maio de 1960 foi um dos fundadores da Frente Nacional do Trabalho (FNT), organização parassindical orientada pelos princípios da Doutrina Social da Igreja.

Dom Jorge Marcos foi um dos sete bispos brasileiros que assinaram o documento de 40 padres conciliares, em Roma, poucos dias antes do encerramento do Concílio Vaticano II, em 1965, conhecido como Pacto das Catacumbas, um manifesto que proclama a opção preferencial pelos pobres, origem da Teologia da Libertação.

Seu episcopado durou 21 anos, nos quais erigiu 58 paróquias, até a renúncia por motivo de saúde, em 1975. Foi sucedido por seu bispo auxiliar, Dom Cláudio Hummes, OFM, mais tarde arcebispo de Fortaleza e, elevado a cardeal, arcebispo de São Paulo.

Faleceu aos 28 de maio de 1989, após ter celebrado pela última vez a Santa Missa na Capela São José (atual Paróquia São José de Mauá, onde se preserva o local da primitiva capela em honra a Dom Jorge).

Seu jazigo encontra-se na Catedral diocesana de Nossa Senhora do Carmo, junto ao altar lateral de São José (Santo André, SP).

Como curiosidade, pode-se destacar que Dom Jorge foi um dos co-sagrantes de D. Helder Pessoa Câmara (1909-1999),  no dia 20 de abril de 1952, sendo sagrante principal Dom Jaime de Barros Cardeal Câmara (1894-1971), auxiliado por Dom Rosalvo Costa Rego, bispo auxiliar do Rio de Janeiro.

Eis alguns pensamentos de Dom Jorge Marques de Oliveira
que ajudam a melhor compreender sua atuação como
bispo em uma região operária:
DOM JORGE MARQUES DE OLIVEIRA (primeiro à esquerda, em destaque):
participando de uma das sessões do Concílio Vaticano II

“Impressionou-me vivamente a massa dos operários à hora da saída das fábricas. Para eles é que porei o maior empenho de meu trabalho de bispo. Creio, firmemente, que a ação mais urgente no seio das classes operárias, é aquela que mostra o Cristo Salvador e aponta o Céu. É aquela que lembra ao homem, sejam quais forem as suas condições sociais ou econômicas, a responsabilidade e a dignidade da pessoa humana.” (sobre a criação da Diocese: 1º de setembro de 1954).

“O macacão que agora envolve as minhas vestes de bispo não traz nada de novo ao meu coração. Como um símbolo magnífico de operário que se gasta no recinto da fábrica, frente à maquina, ele já mora dentro de mim. Já vive no meu coração!” (em agradecimento ao macacão que recebeu dos operários da Tecelagem Ipiranguinha: 10 de agosto de 1958).

“Queremos que ao homem que trabalha não se aplique a lei da oferta e da procura, na sua mais detestável expressão tal como acontece hoje em cada dia quando se despedem adultos, chefes de família, para dar emprego aos menores que ganham a metade do salário de seus pais.” (10 de agosto de 1958).

“Vamos fazer uma greve cristã que seja tão sedutora para os operários quanto a mensagem dos comunistas. A greve tem que ser feita pelo respeito à dignidade humana, tão diferente da greve-revolta, da greve-ódio. A consciência é a coisa mais intocável que há. Não pode haver paz quando há compra de consciência.” (30 de novembro de 1960).

“Não compete ao padre mirar um lugar na política, na defesa dos interesses de classe e dos interesses do povo aos homens que devem representá-los. Cabe ao padre ser pregador da Palavra de Deus, e ao pregador da Palavra de Deus só há uma recompensa, uma recompensa condicionada a deixar tudo neste mundo: é a recompensa do céu! Costumo responder então que, humildemente, de fato, eu sou candidato, mas sou candidato a este céu que depressa se avizinha de nós!
Sou candidato a um mundo melhor aqui na terra!
Sou candidato a um Estado de São Paulo mais pacificado!
Sou candidato a uma ordem social em que os homens não morram de fome na sarjeta de nossas ruas!
Sou candidato a ver um mundo melhor, um mundo dos homens que se amam e se respeitam no fundo dos olhos!
Sou candidato ao mundo onde o trabalho represente a atividade normal e construtiva dos homens para o bem comum!” (26 de junho de 1961).

“Não sou comunista, não sou esquerdista, não tenho política partidária. Sou católico apostólico romano. E tenho compromissos com Deus e com a minha Igreja de pregar a verdade, pois, como dizia Jesus Cristo, só a verdade salvará os homens.” (1966).

“O que desejamos, porém é que o padre, o estudante de seminário, o religioso imponham respeito não pelo hábito ou pela sotaina, mas por sua maneira de viver, por seus hábitos de vida.” (Sobre a batina e o clegyman, 1970).

“A Igreja não tem assim um regime [político] especial: ela quer um regime de justiça.” (28 de outubro de 1979).

“Qual a minha maior vitória? Se é que se pode falar assim, minha maior vitória foi ver engrandecido esse ideal de defender os pobres, os assalariados, os operários, todos aqueles que precisam.” (19 de setembro de 1981).

“A vida do operário para mim é uma vida de amor, eu acho que o operário, por mais humilde que seja, tem direito a amar.” (Maio de 1984).

“Eu acho que a Igreja não pode liderar nada a não ser no campo religioso, dentro das limitações evangélicas. Então eu nunca aceitei ser líder de nada. Eu aceitava ser um explicitador, uma pessoa que transmitisse a notícia, eu podia ir a uma reunião do sindicato, mas eu não dava orientação para o sindicato, eu não orientava os operários, mas alimentava tudo aquilo que havia de bom nos operários.” (11 de julho de 1984).

“Como eu era visto pelos operários? Muitos viam em mim um amigo, amigo deles e outros ligados a determinados partidos e a determinados grupos dominantes que viam em mim uma ameaça para a permanência dos grupos políticos. E isso era terrível!”. (11 de julho de 1984).

“O plano cristão e da Igreja, de opção preferencial pelos pobres, não o é para nosso proveito, para nosso benefício, das classes melhor aquinhoadas. Sua finalidade é restaurar o ideal do Senhor Jesus, o Reino de Deus, que é o da Justiça, Amor e Paz.” (23 de abril de 1989).

“É necessário insistir em que o papa, os bispos, padres e ministros não são a Igreja, nem sua parte principal. Eles integram a Igreja como seus servidores, mas Igreja mesmo é o povo que Cristo reuniu e que, hoje, por ele, continua a ser reunido.” (maio de 1989).

“A Igreja não tem tropas armadas, mas tem a palavra iluminada pelo Espírito da Verdade, que pede prestação de contas da verdade em toda a sua amplidão, máxima na amplidão da Justiça.” (27 de maio de 1989).

Fontes: JORGE MARCOS DE OLIVEIRA. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2015. Disponível aqui. Acesso em: 11 fev. 2016. E Lar Menino Jesus - Algumas frases de autoria de Dom Jorge Marcos de Oliveira – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.