«O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.»

(Aristóteles [384 a.C. – 322 a.C.] – filósofo grego, discípulo de Platão)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Papa: "Deus não descarta ninguém!"

Redação, com Rádio Vaticano

Na Catequese desta quarta-feira, Francisco explicou que na
visão de Jesus não existem, definitivamente, ovelhas perdidas,
mas ovelhas que serão encontradas.
PAPA FRANCISCO
Na Praça São Pedro entre o povo durante a Audiência Geral
Quarta-feira, 4 de maio de 2016

Na Audiência Geral desta quarta-feira, 4 de maio, na Praça São Pedro, o Papa Francisco fez uma reflexão sobre a parábola da ovelha perdida e destacou que Deus não conhece a atual “cultura do descarte”.

O Pontífice reiterou que devemos refletir sobre essa parábola com mais frequência e fez uma advertência aos cristãos: “não devemos ficar fechados, senão teremos cheiro de mofo. Devemos sair”.

O Papa explicou que Jesus se utiliza da parábola para a compreensão de todos sobre a Sua proximidade aos pecadores, que não deve ser motivo de escândalo, ao contrário, deve provocar em todos uma séria reflexão de como vivemos a nossa fé.

O estilo de Deus

“O ensinamento que Jesus nos quer transmitir é que nenhuma ovelha pode se desgarrar. O Senhor não pode se resignar ao fato que mesmo uma só pessoa possa se perder. O agir de Deus é aquele de quem vai em busca dos filhos perdidos para depois festejar e rejubilar o reencontro junto com todos”.

O Papa afirmou que o critério de Jesus não se mede pelo peso que 99 ovelhas têm na balança contra uma só.

“Estejamos todos conscientes: a misericórdia para com os pecadores é o estilo com o qual Deus age, e à tal misericórdia Ele é absolutamente fiel: nada nem ninguém poderá desviá-Lo da sua vontade de salvação”.

Deus nos aguarda onde Ele está

“Deus não conhece a nossa atual ‘cultura do descarte’, isso não pertence a Ele. Deus não descarta nenhuma pessoa, ama todos, vai em busca de todos, todos, um por um, ele não conhece esta palavra ‘descartar’ as pessoas porque é Todo amor e Todo misericórdia”.

Para encontrar Cristo, Francisco explicou que devemos estar conscientes de que seu rebanho está sempre em caminho: não é proprietário do Senhor, e não pode se iludir em aprisioná-Lo em nossos esquemas e estratégias.

“O pastor será encontrado lá onde está a ovelha perdida. Portanto, o Senhor deve ser buscado lá onde Ele quer nos encontrar, não onde nós pretendemos encontrá-Lo”.
PAPA FRANCISCO
Atravessa a Praça São Pedro ao chegar para a Audiência Geral desta quarta-feira
Vaticano, 4 de maio de 2016

Cristãos com cheiro de mofo

Francisco falou ainda de lugares vazios, de alguém que foi embora e deixou a comunidade cristã. “Às vezes, isso é desencorajante e leva a pensar que seja uma perda inevitável. É então que corremos o perigo de nos fecharmos dentro do redil, onde não haverá cheiro de ovelhas, mas de mofo. Nós cristãos não devemos estar fechados senão teremos cheiro de mofo. Devemos sair”, exortou o Papa.

“Isto devemos entender bem, para Deus ninguém está definitivamente perdido. Nunca, até o último momento, Deus nos procura. Pensem no bom ladrão”.

Leia abaixo, na íntegra, a Catequese de Francisco:


AUDIÊNCIA GERAL
Catequese de Papa Francisco
Quarta-feira, 4 de maio de 2016
“A ovelha perdida” (Lc 15,1-7)

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Todos nós conhecemos a imagem do Bom Pastor que leva nos ombros a ovelha perdida. Este ícone sempre representou a preocupação de Jesus para com os pecadores e a misericórdia de Deus que não quer perder ninguém. A parábola é contada por Jesus para fazer as pessoas entenderem que sua proximidade com os pecadores não deve escandalizar, mas provocar em todos uma séria reflexão sobre a forma como vivemos a nossa fé. A história tem, de um lado, os pecadores que se aproximam de Jesus para ouvi-lo e, de outro, os doutores da lei, os escribas que se desviam Dele por causa de seu comportamento. Eles desviam porque Jesus se aproximou dos pecadores. Estes eram orgulhosos, soberbos, se achavam justos.

Nossa parábola se desenrola em torno de três personagens: o pastor, a ovelha perdida e o resto do rebanho. Mas quem age é só o pastor, não as ovelhas. O pastor, então, é o único protagonista e tudo depende dele. Uma pergunta introduz a parábola: “Qual de vós, tendo cem ovelhas e perdendo uma, não deixa as noventa e nove no deserto e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la?” (v. 4). É um paradoxo que leva a duvidar da ação do pastor: é aconselhável deixar noventa e nova por causa de uma ovelha? E não seria no aprisco das ovelhas, mas no deserto.

Segundo a tradição bíblica, o deserto é um lugar de morte, onde é difícil encontrar comida e água, sem abrigo e à mercê das feras e ladrões. O que podem fazer noventa e nove ovelhas indefesas? O paradoxo continua, no entanto, dizendo que o pastor, quando encontra a ovelha, “coloca-a em seus ombros, vai para casa, convoca os amigos e vizinhos e lhes diz: Alegrai-vos comigo” (v. 6).

Parece, portanto, que o pastor não volta para o deserto para recuperar todo o rebanho! Esforçando-se para encontrar aquela ovelha parece esquecer as outras noventa e nove. Mas, na realidade não é assim. O ensinamento que Jesus quer nos dar é que nenhuma ovelha pode ser perdida. O Senhor não pode resignar-se ao fato de que mesmo uma pessoa possa se perder.

A ação de Deus é ir sempre em busca dos filhos perdidos e, em seguida, fazer festa e se alegrar com eles por tê-los encontrado. É um desejo ardente: nem mesmo noventa e nove ovelhas podem parar o pastor e mantê-lo fechado no redil. Ele pode raciocinar assim: “Eu faço o orçamento: noventa e nove, eu perdi uma, então não é uma grande perda”. Mas ele vai à procura daquela, porque cada uma é muito importante para ele e aquela é a mais necessitada, a mais abandonada, o mais rejeitada; e ele vai procurá-la.

Somos aconselhados: a misericórdia para com os pecadores é o estilo com o qual Deus age e à tal misericórdia Ele é absolutamente fiel. Ninguém e nada pode distraí-lo de sua vontade salvífica. Deus não conhece a nossa cultura atual do descarte, Deus não está envolvido nisso. Deus não descarta ninguém; Deus ama a todos, busca a todos: um por um! Ele não conhece essa palavra: “descartar as pessoas”, porque é todo amor e misericórdia.

O rebanho do Senhor está sempre a caminho: ele não possui o Senhor. Não podemos nos iludir que iremos aprisioná-lo em nossos planos e estratégias. O pastor será encontrado onde está a ovelha perdida. O Senhor, então, deve ser procurado onde Ele quer nos encontrar, não onde pretendemos encontrá-lo!

De nenhum outro modo poder-se-á recobrar o rebanho senão seguindo o caminho traçado pela misericórdia do pastor. Enquanto procura a ovelha perdida, ele faz com que as noventa e nove participem da reunificação do rebanho. Então não só a ovelha carregada no ombro, mas todo o rebanho vai seguir o pastor à sua casa para comemorar com os “amigos e vizinhos.”

Devemos refletir muitas vezes nesta parábola, porque na comunidade cristã há sempre alguém que está faltando, que se foi, deixando o lugar vazio. Às vezes isso é difícil e nos leva a crer que é uma perda inevitável, uma doença incurável. E então corremos o perigo de nos fecharmos em um redil, onde haverá não o cheiro das ovelhas, mas cheiro de mofo!

E os cristãos? Nós não devemos ser fechados, porque vamos ter o cheiro de coisas fechadas. Nunca! É preciso sair e não se fechar em si mesmo, em pequenas comunidades, nas paróquias, considerando-se “os justos”. Isso acontece quando falta o impulso missionário que nos leva ao encontro dos outros.

Na visão de Jesus não existem, definitivamente, ovelhas perdidas, mas ovelhas que serão encontradas. Isso devemos compreender bem: para Deus ninguém está perdido para sempre. Nunca! Até o último momento, Deus nos procura. Lembre do bom ladrão; mas apenas na visão de Jesus ninguém está perdido para sempre. A perspectiva, portanto, é dinâmica, aberta, estimulante e criativa.

Ele exorta-nos a sair em busca de um caminho de fraternidade. Nenhuma distância pode manter o pastor longe; e nenhum rebanho pode desistir de um irmão. Encontrar aquele que estava perdido é a alegria do pastor e de Deus, mas também a alegria de todo o rebanho! Somos todos ovelhas encontradas e recolhidas pela misericórdia do Senhor, chamados a reunir juntamente com Ele todo o rebanho!

Fonte: Canção Nova – Especiais – Papa Francisco – Catequese – Quarta-feira, 4 de maio de 2016 – Últimas atualizações: 13h57 e 13h59 – Internet: clique aqui e aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.