«A corrupção, como um câncer, está corroendo a vida cotidiana dos povos.»

(Papa Francisco – Mensagem enviada aos bispos da América Latina e Caribe em Assembleia de 9 a 12 de maio de 2017)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

«Nunca tivemos uma geração tão triste»

Liliane Prata

Uma conversa e tanto com Augusto Cury sobre como educar
as crianças e jovens de hoje – imperdível!
AUGUSTO CURY
Psiquiatra, Escritor e Conferencista

Augusto Cury, o famoso psiquiatra que tem livros publicados em mais de 70 países e dá palestras para multidões no Brasil e lá fora, lançou recentemente uma versão para crianças e adolescentes do seu best-seller Ansiedade - Como Enfrentar o Mal do Século [foto da capa do livro abaixo - à direita]. O autor conversou com a gente sobre os desafios de se criar os filhos hoje e não poupou críticas à maneira como a família e a escola têm educado os pequenos. Confira!

Excesso de estímulos

«Estamos assistindo ao assassinato coletivo da infância das crianças e da juventude dos adolescentes no mundo todo. Nós alteramos o ritmo de construção dos pensamentos por meio do excesso de estímulos, sejam presentes a todo momento, seja acesso ilimitado a smartphones, redes sociais, jogos de videogame ou excesso de TV.

Eles estão perdendo as habilidades socioemocionais mais importantes:
* se colocar no lugar do outro,
* pensar antes de agir,
* expor e não impor as ideias,
* aprender a arte de agradecer.

É preciso ensiná-los a proteger a emoção para que fiquem livres de transtornos psíquicos. Eles necessitam gerenciar os pensamentos para prevenir a ansiedade. Ter consciência crítica e desenvolver a concentração. Aprender a não agir pela reação, no esquema “bateu, levou”, e a desenvolver altruísmo e generosidade

Geração triste

«Nunca tivemos uma geração tão triste, tão depressiva. Precisamos ensinar nossas crianças a fazerem pausas e contemplar o belo. Essa geração precisa de muito para sentir prazer: viciamos nossos filhos e alunos a receber muitos estímulos para sentir migalhas de prazer. O resultado: são intolerantes e superficiais. O índice de suicídio tem aumentado. A família precisa se lembrar de que o consumo não faz ninguém feliz. Suplico aos pais:
* os adolescentes precisam ser estimulados a se aventurar,
* a ter contato com a natureza,
* se encantar com astronomia,
* com os estímulos lentos, estáveis e profundos da natureza que não são rápidos como as redes sociais.»

Dor compartilhada

«É fundamental que as crianças aprendam a elaborar as experiências. Por exemplo, diante de uma perda ou dificuldade, é necessário que tenham uma assimilação profunda do que houve e aprender com aquilo. Como ajudá-las nesse processo? Os pais precisam falar de suas lágrimas, suas dificuldades, seus fracassos. Em vez disso, pai e mãe deixam os filhos no tablet, no smartphone, e os colocam em escolas de tempo integral. Pais que só dão produtos para os seus filhos, mas são incapazes de transmitir sua história, transformam seres humanos em consumidores. É preciso sentar e conversar: “Filho, eu também fracassei, também passei por dores, também fui rejeitado. Houve momentos em que chorei”. Quando os pais cruzam seu mundo com os dos filhos, formam-se arquivos saudáveis poderosos em sua mente, que eu chamo de janelas light: memórias capazes de levar crianças e adolescentes a trabalhar dores perdas e frustrações.»

Intimidade

«Pais que não cruzam seu mundo com o dos filhos e só atuam como manuais de regras estão aptos a lidar com máquinas. É preciso criar uma intimidade real com os pequenos, uma empatia verdadeira. A família não pode só criticar comportamentos, apontar falhas. A emoção deve ser transmitida na relação. Os pais devem ser os melhores brinquedos dos seus filhos. A nutrição emocional é importante mesmo que não se tenha tempo, o tempo precisa ser qualitativo. Quinze minutos na semana podem valer por um ano. Pais têm que ser mestres da vida dos filhos. As escolas também precisam mudar. São muito cartesianas, ensinam raciocínio e pensamento lógico, mas se esquecem das habilidades socioemocionais

Mais brincadeira, menos informação

«Criança tem que ter infância. Precisa brincar, e não ficar com uma agenda pré-estabelecida o tempo todo, com aulas variadas. É importante que criem brincadeiras, desenvolvendo a criatividade. Hoje, uma criança de sete anos tem mais informação do que um imperador romano. São informações desacompanhadas de conhecimento. Os pais podem e devem impor limites ao tempo que os filhos passam em frente às telas. Sugiro duas horas por dia. Se você não colocar limite, eles vão desenvolver uma emoção viciante, precisando de cada vez mais para sentir cada vez menos: vão deixar de refletir, se interiorizar, brincar e contemplar o belo

Parabéns!

«Em vez de apontar falhas, os pais devem promover os acertos. Todos os dias, filhos e alunos têm pequenos acertos e atitudes inteligentes. Pais que só criticam e educadores que só constrangem provocam timidez, insegurança, dificuldade em empreender. Os educadores precisam ser carismáticos, promover os seus educandos. Assim, o filho e o aluno vão ter o prazer de receber o elogio. Isso não tem ocorrido. O ser humano tem apontado comportamentos errados e não promovido características saudáveis

Conselho final para os pais

«Vejo pais que reclamam de tudo e de todos, não sabem ouvir “não”, não sabem trabalhar as perdas. São adultos, mas com idade emocional não desenvolvida. Para atuar como verdadeiros mestres, pai e mãe precisam estar equilibrados emocionalmente. Devem desligar o celular no fim de semana e ser pais. Muitos são viciados em smartphones, não conseguem se desconectar. Como vão ensinar os seus filhos e fazer pausas e contemplar a vida? Se os adultos têm o que eu chamo de síndrome do pensamento acelerado, que é viver sem conseguir aquietar e mente, como vão ajudar seus filhos a diminuírem a ansiedade?»

Fonte: Claudia – M de Mulher – 07/09/2015 – Internet: clique aqui.

Este Brasil curioso ! ! !

Veja só o que acontece neste País...

Falta de vagas permitirá a preso regime mais brando, confirma STF. O STF (Supremo Tribunal Federal) confirmou nesta quarta-feira (29 de junho) entendimento fixado pelo tribunal de que o sentenciado deve cumprir a pena em regime mais benéfico sempre que não houver vaga em unidade prisional. Isso porque a superlotação não autoriza a manutenção do condenado em regime prisional mais rigoroso. Os ministros aplicaram essa tese numa chamada súmula vinculante –espécie de norma que se aplica a todo poder público. O texto aprovado diz que a "falta de estabelecimento penal adequado não autoriza a manutenção do condenado em regime prisional mais gravoso". A situação de cada preso será definida, no entanto, pelo juiz da execução penal, que terá que avaliar situações como a periculosidade do preso e o tempo de condenação. Por esse entendimento, por exemplo, a falta de vagas no sistema penitenciário pode levar o condenado para a prisão domiciliar com monitoramento eletrônico. Os ministros sugerem ainda medidas alternativas para tentar resolver a questão, como a abertura de vagas no regime semiaberto mediante a saída antecipada de detentos que estejam mais próximos da progressão do regime (e que serão colocados em liberdade monitorada eletronicamente) e a conversão em penas restritivas de direitos e/ou estudo para os apenados em regime aberto. [1]
Arena Olímpica do Vôlei de Praia - Copacabana - RJ

Nossa Olimpíada!!! Corpo esquartejado é encontrado na Praia de Copacabana. Cadáver foi localizado em área de grande movimentação, em frente à Arena Olímpica do Vôlei de Praia, uma das vitrines dos jogos olímpicos. Um corpo esquartejado foi encontrado, na tarde desta quarta-feira, 29 de junho, na areia da Praia de Copacabana, quase chegando ao Leme, na zona sul do Rio de Janeiro. A Arena do Vôlei fica em frente ao Hotel Windsor, um dos mais luxuosos da cidade, localizado na esquina das Avenidas Atlântica e Princesa Isabel. É a principal instalação do evento na Praia de Copacabana, considerada pelo Comitê Rio-2016 e pela prefeitura um parque olímpico, e uma das vitrines da cidade durante os Jogos, por seu apelo turístico. [2]
Brasil é o 3º País mais violento do mundo para as crianças e adolescentes!

Brasil registra 10,5 mil assassinatos por ano de crianças e adolescentes. O Brasil registrou 10.520 assassinatos de crianças e adolescentes em 2013, o equivalente a quase 29 casos por dia. A quantidade, que só tem crescido desde 1980, coloca o País só atrás de México e El Salvador, como o terceiro mais violento do mundo entre 85 nações – de uma lista foram retirados países com conflitos recentes, como a Síria. E a tendência para os próximos anos não é de melhora. Os dados integram um estudo que foi encomendado pela Secretaria de Direitos Humanos do governo federal, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), e será divulgado nesta quinta-feira, 30 de junho. A análise mostra que as mortes de crianças e adolescentes por causas naturais sofreram queda de 78,5% em 33 anos, enquanto os óbitos por causas externas – denominação que inclui acidentes de trânsito, suicídios e homicídios – cresceram 22,4% no período. O que explica esse crescimento, segundo a análise, é “a escalada de um flagelo que se transformou, ao longo dos anos, na maior causa de letalidade de nossas crianças e adolescentes: a violência homicida”. Em analogia, o estudo lembra que a quantidade de crianças e adolescentes mortas diariamente equivale a três chacinas da Candelária, que deixou oito jovens mortos, em 1993, no Rio... Pesquisadores apontam que de forma frequente o adolescente vítima é visto como “marginal, delinquente ou drogado”. “Há uma cultura de aplicação de castigos físicos ou punições morais, com função ‘disciplinadora’, por parte de famílias e instituições”, afirmam. [3]
 
Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Servidores do Theatro Municipal do Rio estão sem salário. Parte da programação do Theatro Municipal do Rio de Janeiro está suspensa devido à falta de pagamento dos salários dos funcionários pela Secretaria Estadual de Cultura, à qual a instituição é subordinada. Sem dinheiro para chegar ao trabalho, os servidores suspenderam os ensaios na última sexta-feira e só deverão retomá-los quando receberem os salários. Por enquanto, não há perspectiva para o Estado regularizar os vencimentos. Os espetáculos protagonizados por artistas que não compõem o corpo artístico estão mantidos... Jesuína Passaroto, presidente da Associação dos Músicos da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal disse que: “Recebemos apenas a primeira parcela do salário de maio. Junho já está terminando, então são dois meses de atraso. Tem gente que não tem dinheiro para ir trabalhar, então, decidimos suspender os ensaios”. A decisão foi tomada durante assembleia realizada na quinta passada... A ópera Orfeu e Eurídice, que seria encenada no próximo domingo (3 de julho) e depois na terça, quinta e sábado seguintes, está suspensa pelo menos para a primeira encenação. [4]
Falta passaporte no Brasil!!!

Êta país justo! Polícia Federal oferece passaporte mais caro para furar fila de atraso. A família Sousa começou a enfrentar turbulência três meses antes de embarcar na sua viagem de férias para a Disney World, na segunda quinzena de setembro. Quando foram renovar o passaporte de seus cinco integrantes, na última quinta (23 de junho), ouviram da funcionária da Polícia Federal do posto do shopping Eldorado: "O documento não vai sair a tempo". Passados dois segundos do que eles classificam como "puro pânico", a atendente ofereceu uma solução. Se eles optassem por pagar R$ 77,17 a mais para cada passaporte (que custa R$ 257,25), teriam os documentos em mãos dentro de quatro dias úteis. "A gente gastou quase US$ 150 para burlar a incompetência do setor público", diz o pai da família, que pediu para ter seu nome omitido por medo de o documento, que ele ainda não retirou, ser confiscado pela Polícia Federal. Com demora para entrega que pode chegar a até quatro meses, quando o período normal não passa de 30 dias, a Polícia Federal passou a propagandear um sistema mais rápido, e mais caro, para quem precisa viajar nos próximos 120 dias... "É o passaporte 'express'. É a fila VIP!", define a cabeleireira Josiane Gato, que retirou o seu menos de uma semana depois do pedido. [5]
Jobson - ex-atacante do Botafogo

Além de jogar bola, estupra! A Polícia Civil do Pará concluiu que as quatro meninas, com idade entre 12 e 14 anos, foram estupradas na chácara do ex-atacante do Botofogo Jobson, 28 anos, em Conceição do Araguaia, no Pará. O atacante Jobson nega os crimes, e pede que sejam feitos mais exames para provar sua inocência. Além de Jobson, que está suspenso do futebol até 2019, mais dois amigos dele também teriam participado. Os três já estão presos no Pará. Segundo a polícia, as meninas foram induzidas a consumir bebidas alcoólicas na propriedade do atacante. A conclusão da autoridade policial vem mesmo depois de uma das adolescentes ter voltado atrás em um depoimento, dizendo não ter feito sexo na festa em questão, no início deste mês. Manter relações sexuais com menores de 14 anos é considerado crime de "estupro presumido" no Brasil. Pela lei penal brasileira, uma pessoa menor de 14 anos não possui o discernimento necessário para decidir manter uma relação sexual, esteja ela ou não em estado alterado por álcool e drogas. [6]

F O N T E S

[ 1 ] Folha de S. Paulo – Cotidiano – De Brasília – Quarta-feira, 29 de junho de 2016 – 16h20 – Internet: clique aqui.
[ 2 ] ESTADAO.COM.BR – Brasil / Rio de Janeiro – Roberta Pennafort – Quarta-feira, 29 de junho de 2016 – 15h48 (última atualização) – Internet: clique aqui.
[ 3 ] O Estado de S. Paulo – Metrópole – Marco Antônio Carvalho – Quinta-feira, 30 de junho de 2016 – Pág. A13 – Internet: clique aqui.
[ 4 ] O Estado de S. Paulo – Caderno 2 – Política Cultural – Fábio Grellet –  Quinta-feira, 30 de junho de 2016 – Pág. C7 – Internet: clique aqui.
[ 5 ] Folha de S. Paulo – Cotidiano – Chico Felitti – Quinta-feira, 30 de junho de 2016 – 02h00 – Internet: clique aqui.
[ 6 ] Folha de S. Paulo – Cotidiano – Bruno Thadeu e Vinícius Segalla – Quinta-feira, 30 de junho de 2016 – 08h23 – Internet: clique aqui.

Onde está o ajuste das contas do Governo?

“Pacote de bondades” de Michel Temer chega 
a R$ 125 bilhões

Alexa Salomão

Mesmo com pressão sobre o Orçamento, governo tenta ampliar apoio político no curto prazo a fim de aprovar projetos como a PEC que fixa teto para o gasto.
Ou seja, gasta-se mais agora para tentar gastar menos depois, seria isso???
MICHEL TEMER
assina aumento dos benefícios do Bolsa Família e mais verbas para educação básica de Estados e Municípios
Palácio do Planalto - Brasília (DF), 29 de junho de 2016

O presidente em exercício Michel Temer anunciou nesta quarta-feira, 29 de junho, um aumento médio dos benefícios do Bolsa Família de 12,5%, mais a liberação de R$ 742,8 milhões para a educação básica de Estados e municípios. Apesar de elevar a previsão de gastos no momento em que o mercado espera corte de despesas, o reajuste não surpreendeu especialistas em contas públicas. Foi recebido como mais uma benesse na leva de concessões que o governo vem promovendo desde que assumiu em 12 de maio e que já soma cerca de R$ 125,4 bilhões em gastos e renúncias fiscais – com impactos já neste ano e até 2018.

O corte imediato de despesas é considerado difícil e a avaliação é de que ainda é preciso esperar a decisão final do impeachment. A visão geral é de que o governo adotou como estratégia cimentar apoio político, ainda que ele cause pressão sobre as contas públicas no curto prazo, para garantir a aprovação de reformas de longo prazo, polêmicas, mas fundamentais para a retomada do crescimento. Entre as prioridades estariam a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC), que fixa o teto para o gasto, e a reforma da Previdência.

O que fizeram de concreto até agora foi ampliar o déficit para conseguir incluir uma série de aumento que eles acham que precisam ser feitos, como o aumento do funcionalismo e a negociação das dívidas dos Estados, que era importante. No entanto, não está clara qual a contrapartida dos Estados nem como o teto dos gastos vai funcionar. Falta clareza”, afirmou Nelson Marconi, coordenador executivo do Fórum de Economia da Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas (FGV). [ . . . ]
MANSUETO ALMEIDA
Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda
Economista especialista em contas públicas

Mudanças de longo prazo

Segundo o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, não é verdade que o governo esteja cometendo “excessos” que pioram a situação das contas públicas. “Nós chegamos aqui e encontramos uma situação muito complicada, até pagamento de tarifa de banco estava atrasado. E agora estamos dizendo não para um bocado de coisas”, afirmou.

Mansueto, porém, ressaltou que a atual equipe está focada em realizar um ajuste fiscal estrutural e de longo prazo. “Até amigo meu que trabalha no mercado financeiro já veio aqui cobrando as medidas de curto prazo e eu respondo: historicamente o Brasil só fez ajustes de curto de prazo, cortando investimento e elevando carga tributária. Já sabemos que não é o caminho”, disse. Segundo ele, a primeira mudança importante é a fixação do teto de gastos: “Acho que as pessoas ainda não entenderam como ele será rigoroso e a imensa mudança que vai promover”.

IMPACTO DAS MEDIDAS NAS CONTAS

* R$ 68 bilhões é a despesa prevista com o reajuste ao funcionalismo, incluindo inativos até 2018
* R$ 50 bilhões é a despesa prevista com ajuda aos Estados, por meio de renúncia fiscal, até 2018
* R$ 2,9 bilhões é a despesa prevista com o Rio de Janeiro após o Estado decretar calamidade
* R$ 2,8 bilhões é a despesa anual prevista com o reajuste do Bolsa Família, além de recursos para a educação básica
* R$ 1,7 bilhão é a despesa prevista com ampliação, por meio de renúncia fiscal, do Supersimples

ENQUANTO ISSO...

Mais de 11,4 milhões de trabalhadores brasileiros
estão desempregados

UOL, em São Paulo

Os setores mais atingidos foram Construção Civil, a Indústria e o Comércio.
Setores tem taxas de desemprego de 5,1%, 3,9% e 1,7%, respectivamente.
 
O desemprego no país atingiu, em média, 11,2% nos três meses até abril. É a maior taxa registrada pela pesquisa, que começou a ser feita em 2012.

No período, o número de desempregados no Brasil chegou a 11,4 milhões de pessoas.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (31 de maio) e fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). São pesquisadas 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. A pesquisa usa dados de trimestres móveis, ou seja, de três meses até a pesquisa. Na de abril, são usados dados de fevereiro, março e abril.

O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Comparação com resultados anteriores

Entre fevereiro e abril de 2016, a taxa de desemprego foi de 11,2%:
* no trimestre anterior (nov-15 a jan-16), havia sido de 9,5%;
* um ano antes (fev-15 a abr-15), havia sido de 8%;
* no trimestre encerrado em março (jan-16 a mar-16), havia sido de 10,9%.

O número de desempregados chegou a 11,4 milhões de pessoas:
* no trimestre anterior (nov-15 a jan-16), havia sido de 9,6 milhões (alta de 18,6%);
* um ano antes (fev-15 a abr-15), havia sido de 8 milhões (alta de 42,1%);
* no trimestre encerrado em março (jan-16 a mar-16), havia sido de 11,1 milhões (alta de 2,9%).

População ocupada

Segundo a pesquisa, nos três meses até abril, 90,6 milhões de pessoas tinham trabalho. Esse número caiu 1,7% em um ano, representando 1,5 milhão de pessoas.

Na comparação com o trimestre de novembro de 2015 a janeiro de 2016, a queda foi de 1,1%.
 
Número de carteiras assinadas cai 4,3%

Aproximadamente 1,5 milhão de pessoas ficaram sem carteira assinada em um ano, de acordo com a pesquisa, uma queda de 4,3%. Na comparação com o trimestre de novembro de 2015 a janeiro de 2016, a queda foi de 1,8%.

Esses números são apenas de carteiras assinadas no setor privado, não levando em conta trabalhadores de setores públicos, segundo o IBGE.

Rendimento médio de R$ 1.962

O rendimento médio real (ajustado pela inflação) dos trabalhadores nos três meses até abril foi de R$ 1.962, caindo 3,3% em um ano. No mesmo período de 2015, o rendimento era de R$ 2.030. [E a inflação, só sobe!!! Custo da alimentação está pela hora da morte!!!]

Em comparação com o trimestre de novembro de 2015 a janeiro de 2016, o rendimento ficou estável, segundo o IBGE.
 
Emprego cai na indústria, comércio e construção

Em relação ao trimestre de novembro de 2015 a janeiro de 2016, três atividades tiveram queda no emprego:
* indústria (-3,9% ou menos 473 mil pessoas),
* construção (-5,1% ou menos 400 mil pessoas) e
* comércio (-1,7% ou menos 302 mil pessoas).

As demais ficaram estáveis, segundo o IBGE.

Em um ano, a indústria demitiu -11,8% ou 1,6 milhão de pessoas. Enquanto os setores de informação, comunicação e atividades financeiras  demitiu -7,8%, ou seja, menos 820 mil pessoas ficaram sem trabalho nessas áreas.

Por outro lado, houve aumento de emprego em transporte, armazenagem e correio (5,3%, ou 227 mil pessoas); serviços domésticos (5,1%, ou 306 mil pessoas) e administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (2,5%, ou 384 mil pessoas).

Três pesquisas sobre emprego

O IBGE fazia outras duas pesquisas mensais com dados de desemprego, mas agora tem apenas a Pnad Contínua mensal, que é nacional.

A PME (Pesquisa Mensal de Emprego) media a taxa mês a mês, com base em seis regiões metropolitanas: Recife, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A última divulgação da PME foi em março e indicou que o desemprego atingiu 8,2% em fevereiro.

A Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (Pimes) foi divulgada até fevereiro deste ano e, depois, encerrada. Segundo ela, o número de trabalhadores na indústria em 2015 caiu 6,2%, quarto ano seguido de queda e o maior tombo desde 2002, quando a pesquisa começou a ser feita.

Fontes: O Estado de S. Paulo – Política – Quinta-feira, 30 de junho de 2016 – Pág. A4 – Internet: clique aqui; Portal UOL – Economia – Empregos e Carreiras – 31/05/2016 – 22h25 (última atualização) – Internet: clique aqui.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Papa: oração é principal caminho para sair dos fechamentos

Rádio Vaticano

Papa presidiu, hoje, Missa na festa dos santos apóstolos Pedro e Paulo, e destacou o poder que a oração tem de levar o homem à abertura aos outros
PAPA FRANCISCO
Levando o Evangeliário durante a Santa Missa na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo
Basília de S. Pedro - Vaticano
Quarta-feira, 29 de junho de 2016

O Papa presidiu na manhã desta quarta-feira (29 de junho), à Missa da Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo – padroeiros de Roma.

Como é tradição nesta celebração, o Pontífice abençoou os pálios dos novos arcebispos metropolitanos – dentre eles, quatro brasileiros – que serão impostos pelos Núncios Apostólicos nas respectivas arquidioceses. Estes são os novos arcebispos para o Brasil: Dom Roque Paloschi (Porto Velho – Rondônia), Dom Zanoni Demettino Castro (Feira de Santana – Bahia), Dom Rodolfo Luís Weber (Passo Fundo – Rio Grande do Sul) e Dom Darci José Nicioli, redentorista (Diamantina – Minas Gerais).

Em sua homilia, o Papa recordou episódios decisivos e fundamentais da vida dos Apóstolos e da comunidade cristã para superar seus próprios egoísmos, medos e fechamentos.

A principal via de saída dos fechamentos é a oração... A oração, como humilde entrega a Deus e à sua santa vontade, é sempre a via de saída dos nossos fechamentos pessoais e comunitários”, afirmou o Pontífice.

Abertura

O próprio Paulo, ao escrever a Timóteo – prosseguiu o Papa – fala da sua experiência de libertação, de saída do perigo de ser ele também condenado à morte.

“Entretanto, Paulo fala de uma ‘abertura’ muito maior, para um horizonte infinitamente mais amplo: o da vida eterna, que o espera depois de ter concluído a ‘corrida’ terrena”, discerniu Francisco.

Já a confissão de fé de Pedro e a consequente missão a ele confiada por Jesus – disse Francisco – mostra-nos que a vida do pescador galileu Simão – assim como a vida de cada um de nós – se abre, desabrocha plenamente quando acolhe, de Deus Pai, a graça da fé.
PROCISSÃO COM O EVANGELIÁRIO TRAZIDO PELOS DIÁCONOS
Santa Missa na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo
Basílica de São Pedro - Vaticano

Orgulho

“E Simão põe-se a caminhar – um caminho longo e duro – que o levará a sair de si mesmo, das suas seguranças humanas, sobretudo do seu orgulho misturado com uma certa coragem e altruísmo generoso”, recordou o Papa.

A oração de Jesus foi decisiva neste percurso de libertação de Pedro: “Eu roguei por ti [Simão], para que a tua fé não desapareça”. E, igualmente decisivo – sublinhou Francisco – é o olhar cheio de compaixão do Senhor depois que Pedro o negou três vezes: um olhar que toca o coração e liberta as lágrimas do arrependimento.

“Então Simão Pedro foi liberto da prisão do próprio eu orgulhoso e medroso, e superou a tentação de se fechar à chamada de Jesus para o seguir no caminho da cruz”, recordou o Papa.

Medos

Neste ponto, ao recordar o episódio de Pedro liberto que bate à porta mas ficam com medo de abrir porque ele é procurado, o Papa disse que o medo sempre nos paralisa, nos fecha às surpresas de Deus.

“Este detalhe fala-nos de uma tentação que sempre existe na Igreja: a tentação de fechar-se em si mesma, à vista dos perigos”, advertiu o Papa.

Porém, atrás daquela porta estavam muitas pessoas que rezavam, narra o Evangelho. E esta é uma brecha por onde Deus pode agir, concluiu o Pontífice.

A oração permite que a graça abra uma via de saída: do fechamento à abertura, do medo à coragem, da tristeza à alegria. E podemos acrescentar: da divisão à unidade”.
À frente, de mitras brancas, encontram-e os novos arcebispos que se fizeram presentes na Santa Missa
para receber a bênção de seus pálios
Abaixo encontra-se o texto integral da homilia de Papa Francisco:


HOMILIA
Santa Missa e bênção dos pálios para os novos arcebispos metropolitanos
na solenidade dos santos apóstolos Pedro e Paulo
Basílica Vaticana
Quarta-feira, 29 de junho de 2016

Nesta liturgia, a Palavra de Deus contém um binômio central: fechamento/abertura. E, relacionado com esta imagem, está também o símbolo das chaves, que Jesus promete a Simão Pedro para que ele possa, sem dúvida, abrir às pessoas a entrada no Reino dos Céus, e não fechá-la como faziam alguns escribas e fariseus hipócritas que Jesus censura (cf. Mt 23,13).

A leitura dos Atos dos Apóstolos (12,1-11) apresenta-nos três fechamentos: o de Pedro na prisão; o da comunidade reunida em oração; e – no contexto próximo da nossa perícope – o da casa de Maria, mãe de João chamado Marcos, a cuja porta foi bater Pedro depois de ter sido libertado.

Vemos que a principal via de saída dos fechamentos é a oração: via de saída para a comunidade, que corre o risco de se fechar em si mesma por causa da perseguição e do medo; via de saída para Pedro que, já no início da missão que o Senhor lhe confiara, é lançado na prisão por Herodes e corre o risco de ser condenado à morte. E enquanto Pedro estava na prisão, «a Igreja orava a Deus, instantemente, por ele» (At 12,5). E o Senhor responde à oração com o envio do seu anjo para o libertar, «arrancando-o das mãos de Herodes» (cf. v. 11). A oração, como humilde entrega a Deus e à sua santa vontade, é sempre a via de saída dos nossos fechamentos pessoais e comunitários. É a grande via de saída dos fechamentos.

O próprio Paulo, ao escrever a Timóteo, fala da sua experiência de libertação, de saída do perigo de ser ele também condenado à morte; mas o Senhor esteve ao seu lado e deu-lhe força para poder levar a bom termo a sua obra de evangelização dos gentios (cf. 2Tm 4,17). Entretanto Paulo fala duma «abertura» muito maior, para um horizonte infinitamente mais amplo: o da vida eterna, que o espera depois de ter concluído a «corrida» terrena. Assim é belo ver a vida do Apóstolo toda «em saída» por causa do Evangelho: toda projetada para a frente, primeiro, para levar Cristo àqueles que não O conhecem e, depois, para se lançar, por assim dizer, nos seus braços e ser levado por Ele «a salvo para o seu Reino celeste» (v. 18).
PAPA FRANCISCO
Faz sua homilia durante a Santa Missa na Solenidade dos Santos Pedro e Paulo
Voltemos a Pedro… A narração evangélica (Mt 16,13-19) da sua confissão de fé e consequente missão a ele confiada por Jesus mostra-nos que a vida do pescador galileu Simão – como a vida de cada um de nós – se abre, desabrocha plenamente quando acolhe, de Deus Pai, a graça da fé. E Simão põe-se a caminhar – um caminho longo e duro – que o levará a sair de si mesmo, das suas seguranças humanas, sobretudo do seu orgulho misturado com uma certa coragem e altruísmo generoso. Decisiva neste seu percurso de libertação é a oração de Jesus: «Eu roguei por ti [Simão], para que a tua fé não desapareça» (Lc 22,32). E igualmente decisivo é o olhar cheio de compaixão do Senhor depois que Pedro O negou três vezes: um olhar que toca o coração e liberta as lágrimas do arrependimento (cf. Lc 22,61-62). Então Simão Pedro foi liberto da prisão do seu eu orgulhoso, do seu eu medroso, e superou a tentação de se fechar à chamada de Jesus para O seguir no caminho da cruz.

Como já aludi, no contexto próximo da passagem lida dos Atos dos Apóstolos, há um detalhe que pode fazer-nos bem considerar (cf. 12,12-17). Quando Pedro, miraculosamente liberto, se vê fora da prisão de Herodes, vai ter à casa da mãe de João chamado Marcos. Bate à porta e, de dentro, vem atender uma empregada chamada Rode, que, tendo reconhecido a voz de Pedro, em vez de abrir a porta, incrédula e conjuntamente cheia de alegria corre a informar a patroa. A narração, que pode parecer cômica – e pode ter dado início ao chamado «complexo de Rode» –, deixa intuir o clima de medo em que estava a comunidade cristã, fechada em casa e fechada também às surpresas de Deus. Pedro bate à porta. – «Vai ver quem é!» Há alegria, há medo… «Abrimos ou não?» Entretanto ele corre perigo, porque a polícia pode prendê-lo. Mas o medo paralisa-nos, sempre nos paralisa; fecha-nos, fecha-nos às surpresas de Deus. Este detalhe fala-nos duma tentação que sempre existe na Igreja: a tentação de fechar-se em si mesma, à vista dos perigos. Mas mesmo aqui há uma brecha por onde pode passar a ação de Deus: Lucas diz que, naquela casa, «numerosos fiéis estavam reunidos a orar» (v. 12). A oração permite que a graça abra uma via de saída: do fechamento à abertura, do medo à coragem, da tristeza à alegria. E podemos acrescentar: da divisão à unidade. Sim, digamo-lo hoje com confiança, juntamente com os nossos irmãos da Delegação enviada pelo amado Patriarca Ecumênico Bartolomeu para participar na festa dos Santos Padroeiros de Roma. Uma festa de comunhão para toda a Igreja, como põe em evidência também a presença dos Arcebispos Metropolitas que vieram para a bênção dos Pálios, que lhes serão impostos pelos meus Representantes nas respetivas Sedes.

Os Santos Pedro e Paulo intercedam por nós para podermos realizar com alegria este caminho, experimentar a ação libertadora de Deus e a todos dar testemunho dela.

Fontes: Rádio Vaticano – Papa Francisco – Celebrações – 29/06/2016 – 10h13 – Internet: clique aqui; A Santa Sé – Papa Francisco – Homilias – 2016 – Internet: clique aqui.

Brasil: o paraíso da propina e da maracutaia!

Quando você pensa que acabou, aí é que começa...
A festa de FELIPE AMORIM e CAROLINE MONTEIRO (casal acima)
durou um final de semana inteiro e ocorreu em maio deste ano no 300 Beach Club (praia de Jererê Internacional, em Florianópolis, SC), um espaço de frente para o mar. Felipe Amorim foi um dos presos na "Operação Boca Livre". Felipe é filho de Antonio Carlos Bellini, dono da Bellini Cultural, cabeça do esquema de fraudes na Lei Rouanet.

Operação apura desvios de R$ 180 milhões na Lei Rouanet. A Polícia Federal (PF) investiga fraudes em 250 contratos sobre a Lei Rouanet que não passaram pela fiscalização do Ministério da Cultura. A informação foi divulgada pela PF nesta terça-feira, 27 de junho, após a deflagração da Operação Boca Livre, em parceria com a Procuradoria da República e o Ministério da Transparência. A organização criminosa agia desde 2001. Um efetivo de 124 policiais federais saiu às ruas para cumprir 14 mandados de prisão temporária e 37 de buscas em dez empresas de grande porte de São Paulo, Rio e Brasília que se teriam beneficiado do esquema montado por uma companhia promotora de eventos culturais, o Grupo Bellini, de São Paulo... O dinheiro captado junto ao Ministério por meio do incentivo da Lei Rouanet era usado para shows e eventos particulares. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, a verba servia para o “enriquecer fortunas pessoais”... dinheiro liberado oficialmente para eventos infantis e difusão de atividades indígenas foi desviado para custear gastos com a contratação de orquestras para festas de fim de ano de empresas... A procuradora da República Karen Lousie Kahn esclareceu que: “O Ministério [da Cultura] não só propiciava as condições ideais para a aprovação desses projetos forjados como também exercia uma fiscalização pífia ou nenhuma de uma forma dolosa para que esses projetos plagiados, copiados, repetidos, não fossem identificados como tais”. [1]
FERNANDO HADDAD
Prefeito de São Paulo - SP

Delator diz que Vaccari pediu R$ 30 milhões para quitar dívida de campanha de Haddad. O ex-diretor da Andrade Gutierrez Flávio Gomes Machado Filho afirmou em sua delação premiada que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto pediu à empreiteira o pagamento de uma dívida de R$ 30 milhões do partido referente à campanha do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. O valor teria sido cobrado de outras cinco empresas, revelou o delator à força-tarefa da Operação Lava Jato. “Em 2013, o PT, por meio de João Vaccari Neto, tesoureiro do partido, solicitou à Andrade Gutierrez o pagamento de uma dívida do partido referente à campanha de Haddad à Prefeitura de São Paulo”, afirmou Machado Filho, em depoimento no dia 25 de fevereiro na Procuradoria Geral da República (PGR). “A dívida era de R$ 30 milhões. Também houve a solicitação do pagamento a outras cinco empresas, de modo que ficaria 5 milhões para a pagamento pela Andrade Gutierrez.” Em 2015, o dono da UTC Engenharia – primeira grande empreiteiro a fazer delação premiada – confessou que chegou a pagar uma despesa de R$ 2,4 milhões da campanha do prefeito de São Paulo. Eleito prefeito de São Paulo, em 2012, a campanha de Haddad arrecadou R$ 42 milhões e gastou R$ 67 milhões – um rombo de pelo menos R$ 25 milhões, assumido pelo PT nacional, em 2013. Parte desse valor, era do contrato fechado com a Polis Propaganda e Marketing, de João Santana. [2]
Da esquerda para a direita, temos:
Eduardo Braga, Renan Calheiros e Romero Jucá
Novamente implicados em denúncias de recebimento de gordas propinas!

Delação cita propina de R$ 30 milhões a peemedebistas. Uma nova delação premiada, firmada com a Procuradoria-Geral da República, aponta o suposto repasse de propinas milionárias para senadores do PMDB, entre eles o presidente do Congresso, Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e Eduardo Braga (AM). Nelson Mello, ex-diretor de Relações Institucionais do Grupo Hypermarcas, afirmou em seu depoimento aos procuradores que pagou R$ 30 milhões a dois lobistas com trânsito no Congresso para efetuar os repasses. Os lobistas, segundo Mello, diziam agir em nome de políticos e que estes poderiam tomar iniciativas de interesse da empresa e do setor no Congresso. Segundo o delator, Lucio Bolonha Funaro se dizia “muito próximo” do presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), e de outros peemedebistas da Casa. Milton Lyra, por sua vez, afirmava agir em nome dos senadores “da bancada do PMDB” que teriam sido destinatários da maior parte da propina. [3]
 
Antonio Delfim Netto
Economista
“Antonio Palocci solicitou R$ 15 milhões para Delfim Netto em Belo Monte”, diz empreiteiro. O empresário Otávio Marques Azevedo, presidente afastado da Andrade Gutierrez, afirmou em sua delação premiada, que o ex-ministro da Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil no governo Lula) cobrou o repasse de R$ 15 milhões, referentes a contratos para a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. O dinheiro, segundo o delator, foi repassado para o economista Delfim Netto – ex-ministro da Fazenda na ditadura e um dos principais conselheiros do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Parte dos valores teria sido repassado ao PT via doações oficiais nas campanhas de 2010, 2012 e 2014. [4]

Como atua o lulopetismo na falsificação da realidade. Para aplacar a crescente revolta dos encarcerados [João Vaccari Neto, José Dirceu e André Vargas] que se consideram abandonados pelo PT, até mesmo Lula tem procurado estimular dirigentes do partido a manifestar solidariedade a inquilinos das prisões de Curitiba. É um sintoma de que há alguma procedência nos rumores que circularam em Brasília, de que prisioneiros como José Dirceu e Vaccari Neto estariam cogitando contar o que sabem. Quanto à tese da corrupção “benigna”, é inacreditável que a aceitem – ou pelo menos a tolerem – intelectuais, acadêmicos, artistas e toda sorte de celebridades ávidas por se apresentarem como “progressistas” e que por isso preferem não questionar o princípio imoral e indecente de que os fins justificam os meios. Com essa miopia deliberada, esses membros da elite brasileira se recusam a ver que os compatriotas mais pobres são exatamente os que estão sendo mais gravemente prejudicados pela irresponsabilidade de Lula, Dilma e tigrada. É interessante observar que, no momento mais difícil de sua trajetória, o PT se mantém teimosamente coerente com o ranço populista que lhe é característico nas origens e na práxis. “Em nome do povo”, tudo se justifica. Até assaltar os cofres públicos porque, afinal, alegam, o produto desses assaltos, diligentemente investido em obras e programas sociais por quem pensa nos interesses populares em primeiro lugar, reverterá sempre em benefício dos mais necessitados. Na prática, a teoria lulopetista é outra, como mostra a Operação Custo Brasil: o ministro do Planejamento de Lula, Paulo Bernardo, ora preso, foi responsável pelo esquema de propinas para roubar R$ 100 milhões, para si e para o PT. Aleluia! Os endividados funcionários públicos tomadores de crédito consignado foram roubados para a maior glória do PT. [5]
João Claudio Genu
Finalmente réu na Operação Lava Jato

Ex-tesoureiro do PP vira réu por suspeita de receber R$ 6 milhões de esquema. O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, abriu ontem [terça-feira, 28 de junho] uma ação penal contra o ex-tesoureiro do PP e ex-assessor de José Janene (morto em 2010), João Claudio Genu, considerado um dos mentores do esquema de corrupção na Petrobrás. A força-tarefa aponta que ele teria recebido cerca de R$ 6 milhões do esquema, mesmo enquanto era julgado pelo Supremo Tribunal Federal no mensalão. Condenado no julgamento da AP 470, em 2012, ele nunca cumpriu a pena, pois a condenação para um de seus crimes prescreveu e ele acabou sendo absolvido de outro ao recorrer. Agora, ele é réu e vai responder pelos crimes de corrupção e formação de organização criminosa. [6]
Eike Batista
Já foi considerado um dos homens mais ricos do mundo, agora...

Empresa de Eike pagou propina a Cunha, diz delator Fábio Cleto. Em sua delação premiada, o ex-vice da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto relatou que uma empresa de Eike Batista pagou propina a ele próprio e ao deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para obter recursos do fundo de investimentos do FGTS. Cleto era integrante do conselho do FI-FGTS e opinava nas liberações dos recursos para empresas. Sua delação premiada foi homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) há duas semanas e está sob sigilo. A Folha de S. Paulo apurou junto a investigadores que a delação aponta pagamento de propina para uma aquisição de debêntures de R$ 750 milhões da empresa LLX, braço de logística do grupo de Eike, que já foi considerado o homem mais rico do Brasil. As debêntures da LLX, que são uma espécie de título de dívida, foram adquiridas pelo fundo de investimentos do FGTS em 2012. Depois disso, o FI-FGTS liberou recursos para a construção de um porto, à época um dos megaprojetos de Eike. Em sua delação, Fábio Cleto afirmou que a liberação desses recursos envolveu o pagamento de propina pela empresa, mas não disse ter tratado diretamente com Eike Batista sobre o assunto. Ele conta que, com o pagamento da propina, partia para o convencimento dos demais integrantes do conselho do FI-FGTS em favor da aprovação dos projetos. Fábio Cleto era afilhado político de Eduardo Cunha em uma das vice-presidências da Caixa. [7]
Mauro Arce
atual presidente da Cesp

Ministério Público apura se presidente da Cesp beneficiou parentes. Ex-secretário estadual das pastas de Energia, Transportes, Saneamento e Recursos Hídricos, o atual presidente da Cesp, Mauro Arce, é investigado pelo Ministério Público Estadual e pela Corregedoria-Geral da Administração do Estado por suposto tráfico de influência e prejuízo aos cofres públicos na venda de energia elétrica a duas empresas de sua família. O inquérito apura se Arce agiu para beneficiar a Bio Energias Renováveis Ltda. e a Coenergy Comercializadora de Energia Ltda. [8]

F O N T E S

[ 1 ] O Estado de S. Paulo – Política / Fausto Macedo Repórter – Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo – Terça-feira, 28 de junho de 2016 – 14h54 – Internet: clique aqui.
[ 2 ] O Estado de S. Paulo – Política / Fausto Macedo Repórter – Ricardo Brandt, Julia Affonso, Fausto Macedo e Fabio Serapião – Quarta-feira, 29 de junho de 2016 – 04h05 – Internet: clique aqui.
[ 3 ] O Estado de S. Paulo – Política – Fabio Serapião, Ricardo Brandt e Julia Affonso – Terça-feira, 28 de junho de 2016 – Pág. A4 – Internet: clique aqui.
[ 4 ] O Estado de S. Paulo – Política – Fausto Macedo, Ricardo Brandt e Julia Affonso – Terça-feira, 28 de junho de 2016 – Pág. A5 – Internet: clique aqui.
[ 5 ] O Estado de S. Paulo – Notas e Informações – Editorial – Terça-feira, 28 de junho de 2016 – Pág. A3 – Internet: clique aqui.
[ 6 ] O Estado de S. Paulo – Política – Quarta-feira, 29 de junho de 2016 – Pág. A7 – Internet: clique aqui.
[ 7 ] Folha de S. Paulo – Poder – Aguirre Talento e Márcio Falcão – Quarta-feira, 29 de junho de 2016 – 02h00 – Internet: clique aqui.
[ 8 ] O Estado de S. Paulo – Metrópole – Terça-feira, 28 de junho de 2016 – Pág. A1 (capa) – Internet: clique aqui.