«O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.»

(Aristóteles [384 a.C. – 322 a.C.] – filósofo grego, discípulo de Platão)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

sábado, 27 de agosto de 2016

22º Domingo do Tempo Comum – Ano C – Homilia

Evangelho: Lucas 14,1.7-14

1 Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus.
E eles o observavam.
7 Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola:
8 «Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar.
Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu,
9 e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: “Dá o lugar a ele”. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar.
10 Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: “Amigo, vem mais para cima”. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados.
11 Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado.»
12 E disse também a quem o tinha convidado: «Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa.
13 Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos.
14 Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos.»

Pe. Alberto Maggi
Ordem dos Servos de Maria (OSM)
Biblista e Teólogo

Elevar-se é humilhar-se, humilhar-se é elevar-se!

Segundo o evangelho de Lucas, esta é a terceira e última vez que Jesus janta na casa de um fariseu. Sempre que Jesus está à mesa com os fariseus – esses piedosos, esses líderes espirituais – existe uma ocasião de conflito!

(É bom e útil ler também, os versículos de 2-6 do capítulo 14 de Lucas
para entender o contexto).

Desta vez, o conflito foi o próprio Jesus que o causou, porque nessa mesa havia um
doente e Jesus pergunta aos fariseus presentes se é lícito curar no dia de sábado, dia em que a lei proíbe qualquer trabalho, isto é, dia de repouso absoluto.

Pois bem, os fariseus não respondem. Jesus, então, ataca-os, chamando-os de “hipócritas”,
dizendo: “Se alguém de vocês tem um filho ou um boi que caiu num poço, não o tiraria logo, mesmo em dia de sábado?”. “E eles não foram capazes de responder a isso”.

Após essa repreensão Jesus continua. “Jesus notou como os convidados – eram todos fariseus – escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola”.

O evangelista estigmatiza esta ambição, esta vaidade que é típica das pessoas religiosas, especialmente se elas ocupam altos cargos! Acham-se importantes e, portanto, sentem a necessidade de exibir-se e manifestar-se, para dar a conhecer a todos a própria importância, escolhendo os primeiros lugares.

“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu...”. Jesus refere-se a um ditado muito famoso, muito popular, no livro de Provérbios (25,6-7). “...e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar”. “Em vez disso...”. Eis aqui a lição que Jesus dá e é uma lição que é preciso entender bem: não é por humildade, mas é um convite a fazer essas coisas por amor.

“... Quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar”.

Por quê? Para permitir aos outrosaqueles que teriam se sentado no último lugarde ficar mais adiante, nos primeiros lugares. Portanto, não é humildade, mas AMOR. Jesus tenta inverter a escala de valores da sociedade!

“Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’”. Jesus convida esses fariseus – que já havia repreendido dizendo que tudo o que eles fazem o fazem por interesse – convida-os para passar da categoria do interesse à categoria do DOM. “E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado”.

Jesus que se fez “último” e que se coloca ao lado dos rejeitados e excluídos afirma que aqueles que se fazem “últimos” têm a comunhão com Ele, a plenitude da condição divina. Pelo contrário, aqueles que aspiram a colocar-se acima dos outros e se separam dos outros serão excluídos.

Em seguida, Jesus dirige ao fariseu que o havia convidado uma advertência muito importante que deve ser compreendida à luz desses laços de amizade, parentesco, interesses, ligações que sustentam a sociedade e também sustentam grupos eclesiásticos, grupos religiosos, que se autoprotegem à custa dos outros. Portanto, é uma advertência muito severa e muito atual.

“E disse também a quem o tinha convidado: ‘Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos’”. Portanto, Jesus fala de uma espécie de bancada ou quadrilha onde há amizade, parentesco e, acima de tudo, há interesses comuns. Uma quadrilha que se autoprotege dos outros, que exclui os outros e que apenas cuida dos seus próprios interesses. “Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa”. Então, Jesus denuncia, como atitude hipócrita, a postura dos fariseus que tudo o que fazem o fazem por interesse. Eles não conhecem o que é a transparência, a generosidade e o dom.

E eis aqui a solução que Jesus lhes oferece.

“Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, – é claro que eles não podem retribuir – os aleijados, os coxos, os cegos”. Jesus coloca “os aleijados, os coxos, os cegos”, isto é, categorias de pessoas que por suas enfermidades eram excluídos do templo e do sacerdócio.

Portanto, Jesus diante de gente muito piedosa, muito religiosa, como os fariseus que se achavam os mais próximos de Deus e, de acordo com as suas regras e normas religiosas, se separavam e excluíam os outros de Deus, Jesus diz: “Não! Convida exatamente aqueles que são excluídos”. [Vejam só, quem Jesus nos pede para convidar ao seu banquete, seja à Eucaristia como à vivência na comunidade cristã!]

Como podemos interpretar e atualizar essa mensagem de Jesus para o hoje? Aquelas categorias de pessoas que, com base nas convicções espirituais e crenças religiosas, nas origens étnicas ou raciais, estimamos como excluídos, invisíveis, rejeitados, são esses mesmos que devemos incluir e dar-lhes a nossa total atenção.

“Então tu serás feliz! – Bem-aventurado – Porque eles não te podem retribuir”. Portanto, Jesus convida essa comunidade de fariseus para não agir mais com interesse, mas para viver na partilha, sempre com generosidade e amor para com os outros.

Depois, Jesus, que está falando aos fariseus, usa palavras religiosas que os fariseus podiam
entender! ... “Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”.

Portanto, Jesus nos convida a não ficar de olho na recompensa imediata: “Eu faço um favor a você, porque você vai fazer a mesma coisa para mim” e vice-versa, criando, dessa forma, um jeito de viver que exclui os outros de seus próprios interesses e seu próprio bem-estar. Então Jesus nos convida a dirigir toda a nossa atenção ao BEM e ao BEM-ESTAR dos outros e, assim, Deus será a nossa recompensa!

Traduzido do italiano por Pe. Bartolomeo Bergese, Diocese de Pesqueira (PE). Com algumas pequenas correções e adaptações de Pe. Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: Centro Studi Biblici «Giovanni Vannucci» – Montefano (Marche), Itália – Português – Homilias – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.