«Daqui a alguns anos estarás mais arrependido pelas coisas que não fizeste do que pelas que fizeste. Solta as amarras! Afasta-se do porto seguro! Agarra o vento em suas velas! Explora! Sonha! Descubra!»

(Mark Twain [1835-1910] – escritor e humorista norte-americano)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Internet e telefonia móvel são ruins no Brasil

Internet móvel do Brasil é 57ª mais rápida

 Bruno Capelas

Segundo estudo da Open Signal, que levantou dados de 95 países,
disponibilidade de 4G e qualidade do sinal deixam a desejar no Brasil

O Brasil ocupa o 57.º lugar em um ranking global de 95 países quando o assunto é velocidade da internet móvel. É o que mostra o “Global State of Mobile Networks”, estudo pioneiro divulgado hoje pela consultoria Open Signal, responsável pelo aplicativo de mesmo nome. O relatório foi realizado a partir de 12,4 bilhões de medições feitas com o aplicativo por 822 mil usuários no mundo entre 1.º de maio e 23 de julho de 2016. Segundo o estudo, a velocidade média da internet móvel em redes 3G/4G no Brasil é de 7,43 megabits por segundo (Mbps).

Com a estatística, o País fica bem distante dos líderes mundiais: conhecida pela qualidade das conexões, a Coreia do Sul tem as conexões 3G/4G mais rápidas do planeta, com velocidade média de 41,34 Mbps. Três países asiáticos e sete europeus completam a lista dos dez melhores. A Suécia, em 10.º lugar, teve média de 19,89 Mbps. O Brasil aparece atrás de nações como Omã (em 43.º, com 10,13 Mbps) e Geórgia (em 41.º, com 10,68 Mbps). Os Estados Unidos ficaram em 38.º lugar, com 12,34 Mbps de velocidade, em média.

“Um país que mostra boas velocidades de conexão 4G, mas pouca disponibilidade, tem uma velocidade menor que outro com velocidades moderadas, mas alta disponibilidade”, informa a consultoria.

É justamente pela baixa disponibilidade de redes 4G que a velocidade da internet móvel brasileira fica para trás: segundo a Open Signal, o Brasil fica em 69.º lugar se considerada somente a capacidade de uma pessoa se conectar a uma rede 3G ou 4G. A cada quatro tentativas de conexão, em pelo menos uma os brasileiros só conseguiram acessar redes 2G – na qual a velocidade máxima de download fica em 300 Kbps.

No aspecto disponibilidade, a Coreia do Sul também leva a melhor: os habitantes do país encontraram uma rede 3G ou superior em 98,54% das vezes em que tentaram se conectar ao longo dos testes.

Questionada pela reportagem do Estado a respeito do levantamento da Open Signal, o Sinditelebrasil, entidade que representa as principais operadoras do País, informou que “as prestadoras de serviços móvel pessoal investem pesadamente na qualidade de suas redes”. [Imagine, então, se não “investissem pesado”, como alegam!!!]
GRÁFICO COMPARATIVO DE DISPONIBILIDADE DE SINAL 3G/4G (porcentagem de tempo) E
VELOCIDADE OBTIDA EM MÉDIA PELO 3G/4G NOS PAÍSES DA AMÉRICA DO SUL

Observe que o Brasil oferece disponibilidade de sinal 3G/4G para os celulares apenas em 75% do tempo
e a uma velocidade de 7,5 Mbps, portanto, bem abaixo da média dos países mais desenvolvidos

Inclusão

É a primeira vez que a Open Signal realiza um estudo que engloba as conexões 3G e 4G – nos últimos anos, a empresa publicava apenas resultados sobre o 4G. “Decidimos que era necessário incluir as conexões mais simples para demonstrar com mais exatidão o que acontece no cenário global”, diz a consultoria, no relatório. “Em países em desenvolvimento, os usuários não têm acesso ao 4G, o que faz o 3G e o 2G continuarem sendo mais utilizados.” A partir de agora, uma nova edição do estudo deve ser liberada a cada seis meses.

Não é a primeira vez, porém, que a Open Signal pesquisa a qualidade da internet móvel no Brasil: no fim de julho, a empresa divulgou um relatório sobre o serviço oferecido pelas operadoras no País. Na época, considerando-se apenas as conexões 4G, a velocidade média no País ficou estável, em 12,39 Mbps (contra 12,22 Mbps, em estudo de fevereiro deste ano).

Na ocasião, Kevin Fitchard, analista da consultoria, afirmou que o principal problema da internet móvel no País é a instabilidade do sinal 4G. “Em metade do tempo, é possível conseguir boa conexão de 4G, mas, na outra metade, as conexões não se mantêm em alto nível e acabam caindo para 3G ou até mesmo 2G, ficando muito lentas”, explicou Fitchard.

O problema, segundo ele, deve ser atenuado nos próximos anos, quando as operadoras brasileiras passarem a usar a faixa de frequência dos 700 MHz para o 4G – hoje, apenas os 2,6 GHz e os 1,8 GHz estão disponíveis para este fim.

Segundo o Sinditelebrasil, o número de municípios brasileiros com cobertura 4G cresceu 214% no último ano. O total passou para 500 municípios, que concentram 55% da população brasileira. Já a conexão 3G está disponível em 4.690 municípios. “Além dos desafios de investimentos, com alta carga tributária e baixas margens de retorno, há principalmente obstáculos impostos por legislações municipais, que dificultam e impedem a instalação de antenas”, justifica a entidade.

Fonte: O Estado de S. Paulo – Economia & Negócios / link – Quarta-feira, 17 de agosto de 2016 – Pág. B16 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.