«A corrupção, como um câncer, está corroendo a vida cotidiana dos povos.»

(Papa Francisco – Mensagem enviada aos bispos da América Latina e Caribe em Assembleia de 9 a 12 de maio de 2017)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Os principais culpados pelo desmatamento no mundo

Soja, gado, madeira e palma respondem por
um terço do desmatamento mundial

 Sandro Silva

Os quatro maiores produtos agrícolas – óleo de palma, madeira, soja e gado – são responsáveis por mais de 3,83 milhões de hectares de desmatamento tropical a cada ano – mais de um terço dos 9,9 milhões de hectares de florestas tropicais que são perdidos globalmente por ano. 
PASTAGEM NA AMAZÔNIA BRASILEIRA
os pastos para criação extensiva de gado correspondem a 83% do desmatamento da Amazônia!

“Desmatamento é um tema que tem tido grande repercussão em todo o mundo e afetado diretamente as grandes cadeias produtivas. O relatório “Supply Change: Tracking Corporate Commitments to Deforestation-free Supply Chains, 2016”, que usa dados do CDP (Carbon Disclosure Project) e WWF (World Wide Found for Nature) nos mostra um sensível avanço de grandes players do mercado buscando soluções e efetivamente tomando iniciativas para reduzir e garantir que sua matéria prima não venha de áreas desmatadas. Apesar das iniciativas citadas no estudo, ainda há muito que ser feito para alcançar as metas de desmatamento zero planejadas pelas empresas. Outro ponto que chama atenção é a inercia de alguns setores que não tem iniciativas nesse sentido. Acredito que ainda tem que ser feito um grande trabalho de engajamento, tanto com fornecedores quanto com os clientes, para que eles entendam a importância desse trabalho”, afirma Lauro Marins, gerente do programa CDP Supply Chain na América Latina.

No Brasil

Além disso, o reporte destaca projetos regionais que contribuem para a redução do desmatamento no Brasil. Na Amazônia, por exemplo, existem duas iniciativas para reduzir os impactos ambientais provocados pelo desmatamento – a Moratória da Soja e do Acordo de compra de gado. Esses acordos garantem que soja proveniente de áreas desmatadas não será comercializada. Outro exemplo é a JBS, maior produtora de proteína animal do mundo, que desenvolveu um sistema de monitoramento por satélite que supervisiona a gestão sustentável da compra de gado de fornecedores da companhia, para atingir o compromisso de desmatamento zero.

Panorama Global

O levantamento feito pelo projeto Forest Trends’ Supply Change acompanha o progresso de 579 compromissos públicos firmados por 566 empresas que representam, pelo menos, US$ 7,3 trilhões em capitalização de mercado e que foram identificadas como tendo riscos de desmatamento vinculados a esses quatro commodities dentro de suas cadeias de suprimentos. Destas empresas, 366 firmaram compromissos para mudar para fontes sustentáveis e livres de desmatamento.

O relatório apontou que as empresas são mais propensas a assumirem compromissos relacionados à palma, madeira e celulose. Das empresas ativas na palma, 61% adotaram compromissos, em comparação com apenas 15% e 19% dessas empresas ativas no gado e na soja, respectivamente. A diferença é alarmante, pois se estima que a produção de gado cause dez vezes mais desmatamento do que a palma. Em relação às grandes empresas públicas, nota-se que elas assumem mais compromissos do que companhias menores e privadas. Muitas dessas grandes empresas são entidades voltadas ao consumidor com sede na América do Norte e Europa, longe do dano ambiental causado pela agricultura de commodities.
PALMAS SÃO UTILIZADAS PARA A PRODUÇÃO DE ÓLEO

O relatório também mostrou:

a) Empresas que operam upstream (produtores, processadores e comerciantes) tendem a assumirem mais compromissos do que suas parceiras downstream (fabricantes e varejistas) – e suas promessas são potencialmente mais impactantes.

b) Os atores upstream representam apenas 26% das empresas controladas, mas 80% têm feito um compromisso, em comparação com 62% das empresas downstream.

c) A divulgação atual é insuficiente, uma vez que as empresas só têm relatado progresso quantificável em um de cada três compromissos. Mesmo entre compromissos cujas datas-chave já passaram, as empresas têm revelado progressos em menos da metade.

O Sumário Executivo do “Supply Change: Tracking Corporate Commitments to Deforestation-free Supply Chains, 2016” pode ser acessado,
clicando aqui

Fonte: EcoDebate – Cidadania & Meio Ambiente – Quinta-feira, 18 de agosto de 2016 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.