«A corrupção, como um câncer, está corroendo a vida cotidiana dos povos.»

(Papa Francisco – Mensagem enviada aos bispos da América Latina e Caribe em Assembleia de 9 a 12 de maio de 2017)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Cuidado, Cunha não estava sozinho!

Uma articulação desafiadora

Glauco Peres da Silva
Professor do Departamento de Ciência Política – USP

Eduardo Cunha é produto do meio político e, apesar da
habilidade em articular por seus interesses, não é excessão.
EDUARDO CUNHA
assiste à proclamação do resultado da votação que cassou o seu mandato de Deputado Federal
Câmara dos Deputados (Brasília - DF), 12 de setembro de 2016

O presidente da Câmara dos Deputados é figura fundamental no funcionamento do presidencialismo de coalizão brasileiro, mas Eduardo Cunha (PMDB-RJ) levou as vantagens do cargo ao extremo. Apesar de ser do PMDB, ele se indispôs diretamente com o Executivo desde sua eleição, ao derrotar o candidato do Palácio do Planalto, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e usar de suas prerrogativas para pressionar o governo enquanto pôde.

Buscou manter privilégios, ao que parece. Reinterpretou o regimento, quebrando práticas comuns de seus antecessores para encaminhar projetos que lhe eram caros. Formou um grupo de deputados fiéis a si, enfraquecendo as lideranças partidárias. Foi útil à boa parte da oposição dentro e fora da Câmara que via vantagens no enfraquecimento da ex-presidente Dilma Rousseff. Sua atuação foi truculenta e desafiou desafetos.

Salta aos olhos a sua capacidade de mobilização dos demais parlamentares. Não se sabe ao certo a origem desta situação, mas se suspeita que passe tanto pelo apoio financeiro nas campanhas quanto em possíveis ações ilícitas.

O principal ponto é que Cunha é produto do meio político e, apesar de uma habilidade excepcional em articular em prol de seus interesses, não deve ser visto como uma exceção. Parece cedo para afirmar que seu futuro como político chega ao fim. Isso ainda depende do andamento das investigações da Lava Jato. Certamente, porém, continuará lutando da forma mais desafiadora que conseguir.

Fonte: O Estado de S. Paulo – Política / Análise – Terça-feira, 13 de setembro de 2016 – Pág. A6 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.