«A corrupção, como um câncer, está corroendo a vida cotidiana dos povos.»

(Papa Francisco – Mensagem enviada aos bispos da América Latina e Caribe em Assembleia de 9 a 12 de maio de 2017)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

sábado, 15 de outubro de 2016

29º Domingo do Tempo Comum – Ano C – Homilia

Evangelho: Lucas 18,1-8


Naquele tempo:
1 Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre,
e nunca desistir, dizendo:
2 «Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum.
3 Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: “Faze-me justiça contra o meu adversário!”
4 Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: “Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum.
5 Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!”
6 E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto.
7 E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar?
8 Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?»

JOSÉ ANTONIO PAGOLA

O CLAMOR DOS QUE SOFREM

A parábola da viúva e do juiz sem escrúpulos é, como tantos outros, um relato aberto que pode suscitar nos ouvintes diferentes ressonâncias. Segundo Lucas, é um chamado a orar sem desanimar-se, porém é também um convite a confiar que Deus fará justiça a quem lhe grita dia e noite. Que ressonância pode ter hoje em nós este relato dramático que nos recorda tantas vítimas abandonadas injustamente à sua própria sorte?

Na tradição bíblica, a viúva é símbolo por excelência da pessoa que vive sozinha e desamparada. Esta mulher não tem marido nem filhos que a defendam. Não conta com apoios nem recomendações. Somente tem adversários que abusam dela, e um juiz sem religião nem consciência ao qual não importa o sofrimento de ninguém.

Aquilo que a mulher pede não é um capricho. Somente reclama justiça. Este é o seu protesto repetido com firmeza diante do juiz: «Faze-me justiça». Sua petição é a de todos os oprimidos injustamente. Um grito que está na linha do que dizia Jesus aos seus: «Buscai o Reino de Deus e sua Justiça».

É certo que Deus tem a última palavra e fará justiça àqueles que gritam dia e noite. Esta é a esperança que Cristo ascendeu em nós, ressuscitado pelo Pai de uma morte injusta. Porém, enquanto não chega essa hora, o clamor daqueles que vivem gritando sem que ninguém escute os seus gritos, não cessa.

Para uma grande maioria da humanidade, a vida é uma interminável noite de espera. As religiões pregam salvação. O cristianismo proclama a vitória do Amor de Deus encarnado em Jesus crucificado. Entretanto, milhões de seres humanos só experimentam a dureza de seus irmãos e o silêncio de Deus. E, muitas vezes, somos os mesmos crentes que ocultamos seu rosto de Pai encobrindo-o com nosso egoísmo religioso.

Por que nossa comunicação com Deus não nos faz escutar, finalmente, o clamor dos que sofrem injustamente e nos gritam de mil formas: «Faze-nos justiça»?

Se, ao orar, nos encontramos de verdade com Deus, como não somos capazes de escutar com mais força as exigências de justiça que chegam até seu coração de Pai?

A parábola interpela a todos nós crentes. Continuamos alimentando nossas devoções pessoais esquecendo aqueles que vivem sofrendo?

Continuaremos orando a Deus para colocá-lo a serviço de nossos interesses, sem que nos importem muito as injustiças que há no mundo?

E se orar fosse precisamente esquecer-nos de nós e buscar com Deus um mundo mais justo para todos?

Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: MUSICALITURGICA.COM – Homilías de José A. Pagola – Segunda-feira, 10 de outubro de 2016 – 10h00 [Horário Centro-Europeu de verão] – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.