«O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete.»

(Aristóteles [384 a.C. – 322 a.C.] – filósofo grego, discípulo de Platão)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; estou reiniciando o meu Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

“Francisco está preparando grandes surpresas”

Uma reviravolta marcante poderia vir dentro
de alguns anos

Fabio Marchese Ragona
Jornal “Il Giornale” – Milão (Itália)
22-11-2016

Reflexões de um cardeal e teólogo muito próximo ao Papa
WALTER KASPER
Cardeal alemão e teólogo - ao fundo, a fachada da Basílica de São Pedro - Vaticano

E agora, o que devemos esperar? É a pergunta que muitos, dentro das sagradas salas, fizeram a si mesmos depois de lerem a carta apostólica do fim do Jubileu, Misericordia et misera, do Papa Francisco, onde Bergoglio anuncia grandes novidades vindouras para a Igreja, da possibilidade para todos os sacerdotes de perdoar o aborto (até hoje possível apenas durante o Ano Santo), à validade das confissões com os lefebvrianos (isto até novas disposições).

Para ler, baixar ou imprimir o texto integral deste último
documento de Papa Francisco – Misericordia et misera – clique aqui.

Certamente, não chegará, em breve, um Concílio Vaticano III e, seguramente, Francisco, como ele mesmo reiterou há alguns dias em uma entrevista ao jornal Avvenire, não tem nenhuma intenção de “baratear” a doutrina católica ou de “protestantizar” a Igreja.

Mas uma reviravolta marcante poderia vir dentro de alguns anos. Essa é a convicção de um dos teólogos mais próximos e estimados pelo Papa Francisco, o cardeal alemão Walter Kasper, que admite: “Este é um papa das surpresas”, diz, sorrindo. “Há muitos canteiros de obras em aberto. Veremos o que vai acontecer. Entenderemos em breve sobre qual assunto Francisco vai se concentrar”.

Com efeito, o “hospital de campanha” levantado por Bergoglio está se movendo em várias frentes, no rastro do Concílio, como o papa quer, para tentar trazer algumas inovações. Fala-se de celibato dos padres, de diaconato das mulheres, de vocações, estão abertas várias questões ecumênicas, discute-se sobre casamentos mistos entre católicos e protestantes.

Um dos dossiês sobre os quais o papa certamente está refletindo é o dos “padres casados”: embora Francisco, em maio passado, tranquilizou os bispos italianos reunidos em assembleia sobre o fato de que “o celibato sacerdotal vai permanecer como está”, a questão está sendo aprofundada do outro lado do oceano, no “laboratório Brasil”, onde um dos seus homens de confiança, o cardeal Claudio Hummes, prefeito emérito da Congregação para o Clero e presidente da Comissão para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, faz as contas todos os dias com bispos cada vez mais em dificuldades por causa da falta de padres e do crescimento exponencial de seitas e movimentos.

Uma solução apresentada reservadamente ao papa foi a de “abrir”, justamente no Brasil, para homens casados com filhos adultos ou homens viúvos, de fé comprovada, que, hoje, embora não podendo administrar a comunhão, desempenham todas as funções dos sacerdotes, tornando-se inicialmente “pastores” de pequenas comunidades católicas.

Uma solução que agradaria a Bergoglio e contornaria o problema do celibato, sem minar os fundamentos da doutrina e sobre a qual uma comissão especial está trabalhando.

E depois há o dossiê sobre as “mulheres”: também recentemente, Francisco foi claro, não se abrirá ao sacerdócio feminino: “São João Paulo II disse a última palavra”.

Traduzido do italiano por Moisés Sbardelotto. Acesse a versão original deste artigo, clicando aqui.

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos – Notícias – Quarta-feira, 23 de novembro de 2016 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.