«Daqui a alguns anos estarás mais arrependido pelas coisas que não fizeste do que pelas que fizeste. Solta as amarras! Afasta-se do porto seguro! Agarra o vento em suas velas! Explora! Sonha! Descubra!»

(Mark Twain [1835-1910] – escritor e humorista norte-americano)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Por que será?!

90% dos bebês afetados com microcefalia
são pobres

Fabiana Cambricoli

Famílias têm renda per capita de até R$ 220 e mães são pardas,
de 18 a 29 anos, de acordo com pesquisa 
ALINE FERREIRA
Dona de casa de Pernambuco com seu filho que nasceu com microcefalia devido o vírus Zika

Nove em cada dez bebês nascidos com microcefalia em Pernambuco, Estado com o maior número de casos da má-formação, vivem em situação de pobreza, com renda per capita familiar de até R$ 220, mostram dados inéditos da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco. A pesquisa foi feita com 211 famílias cadastradas em um núcleo estadual de apoio criado pelo governo do Estado depois do início da epidemia.

Segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, Pernambuco já acumula 392 casos confirmados da má-formação, distribuídos em 106 municípios. A renda per capita familiar inferior a R$ 220 permite que essas crianças tenham acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), valor equivalente a um salário mínimo pago pelo governo federal a famílias com crianças com deficiência ou idosos que se encaixem nos critérios de rendimento.

Dados do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome apontam que, somente em Pernambuco, já foram concedidos 245 benefícios do tipo para famílias de crianças com microcefalia. Em todo o País, foram 1.430 pessoas contempladas. O número, no entanto, representa apenas 61% dos pedidos feitos ao órgão desde o início da epidemia. O porcentual não contemplado refere-se a pedidos indeferidos ou aos casos que aguardam perícia. 

PERFIL

O levantamento do governo pernambucano mostra ainda detalhes sobre o perfil das mães das crianças nascidas com a má-formação. A grande maioria nasceu de mães pardas (68%), embora esse grupo some 59% da população do Estado. As brancas são mães de 24% dos bebês afetados pelo problema, enquanto as negras tiveram 7% desses meninos e meninas.

No que se refere à faixa etária, a maioria das mães (58% tem entre 18 e 29 anos, 30% está acima dos 30 anos e 12% são adolescentes. A escolaridade só foi medida pela capacidade de ler e escrever. Ainda assim, 6% disseram ser analfabetas. Três em cada quatro mulheres moram em área urbana.

Fonte: O Estado de S. Paulo – Política  – Domingo, 7 de novembro de 2016 – Pág. A26 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.