«Daqui a alguns anos estarás mais arrependido pelas coisas que não fizeste do que pelas que fizeste. Solta as amarras! Afasta-se do porto seguro! Agarra o vento em suas velas! Explora! Sonha! Descubra!»

(Mark Twain [1835-1910] – escritor e humorista norte-americano)

Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

O discurso de Trump, o que esperar?

As convicções na porta da Casa Branca.
Três especialistas opinam sobre o discurso
de Trump durante sua posse

Matías Ferrari
Página/12
Buenos Aires, Argentina
21-01-2017

“Ele não pensa em uma mudança profunda”
Ernesto Semán
Professor de História na Universidade de Richmond (Virgínia, Estados Unidos) 
ERNESTO SÉMAN

A última coisa que Trump imagina, antes e depois das eleições, é uma mudança profunda. O que parece ter construído, e seu discurso de posse confirma, é uma vasta aliança social e política, porém precária, a partir da qual irá renovar (e não alterar) a legitimidade de alguns elementos centrais da sociedade norte-americana:
* a distribuição desigual de renda a nível social;
* a percepção de fortes hierarquias de ordem, especialmente, mas não estritamente, raciais;
* e a influência maciça do dinheiro como o elemento decisivo no processo político.

É um projeto extremamente conservador, mas que inclui muitos aspectos do olhar econômico liberal que dominou a gestão de Obama. Minha impressão, visto o discurso, é que as tensões se concentrarão, especialmente no começo do mandato, entre ele e o Partido Republicano, e as chances que ele tenha de manter essa vasta aliança social e ao mesmo tempo implementar as reformas que ele imagina.

Quanto à frase dita por Trump sobre o quão oneroso é para os Estados Unidos "subsidiar exércitos de outros países", ela deve ser relida quando terminarem as eleições na França e na Alemanha, para que os Estados Unidos vejam qual é a sua margem para manobra. De qualquer forma, as relações com a Rússia demandavam dos Estados Unidos uma reacomodação do papel (e do orçamento) da OTAN, independente do presidente. Hillary Clinton também tinha planos (um pouco diferentes) sobre o assunto.

Trump tem sido muito eficaz em detectar o momento político que lhe oportuniza ser líder: o simples ato de denunciar as elites como oligarquias, ou seja, como um grupo que detém o poder de alguma forma ilegítima e sem a capacidade de representar um interesse geral presumível, demonstra isso. Ele se ergue, muito simbolicamente, enfrentando isso, contra candidatos republicanos e contra Hillary Clinton, que despendem muito mais dinheiro do que ele. Ler o clima geral é provavelmente a chave para a política democrática, além de ser o que o Partido Democrata mais teve dificuldades de enxergar: a enorme demanda por alguém que pudesse denunciar aqueles que gerenciam o destino do país. Utilizando desse fundamento, Trump tenta reconverter em novas bases a legitimidade de muitas das políticas que esses grupos representam. O nacionalismo, nesse sentido, é também uma forma de aproximar a população do processo de tomada de decisões sobre assuntos que lhes dizem respeito.

A recuperação da produtividade que ele anunciou, por outro lado, parece bastante possível. Também é muito possível (quase necessário) intensificar a produtividade da economia norte-americana aumentando a desigualdade, ou seja, que a base do problema, que fez Trump emergir, continue existindo.

Contra tanta raiva existente sobre o populismo de Trump, pela forma em que supostamente ataca a institucionalidade e a continuidade da gestão, deveríamos recordar que tanto a sua campanha quanto o seu governo, que começou ontem, estão justamente construídos sobre instituições ancestralmente liberais e a continuidade mais profunda das elites norte-americanas, começando pelo elogio à riqueza e à primazia dos direitos de propriedade privada sobre qualquer outro elemento da vida social.

“Um país profundamente dividido”
Ernesto Calvo
Professor de Ciência Política na Universidade de Maryland, Estados Unidos
ERNESTO CALVO

Os Estados Unidos são hoje um país profundamente dividido. Dividido de maneira econômica, social, política e territorial. Nas últimas três décadas, os recursos econômicos das suas elites e, portanto, a influência política das mesmas, aumentou exorbitantemente. Ao mesmo tempo, as classes médias e baixas viram sua renda estagnar e sua participação econômica no produto bruto retroceder. A “política de ressentimento”, como tem sido chamada, tem tanto bases econômicas, quanto políticas e culturais. Suas bases estão construídas com a desigualdade econômica que tomou de assalto os Estados Unidos a partir dos anos 80.

Nos últimos trinta anos vimos também progressos significativos no que é chamado de “política da identidade”. Os direitos dos latinos, a comunidade afro-americana, os imigrantes recentes, a comunidade LGBT, todos ganharam um espaço cultural sem precedentes. Mesmo que a economia seja cada vez mais desigual, a inclusão social e cultural tem enchido de otimismo as comunidades historicamente relegadas. Enquanto o presente é dos ultrarricos, o futuro foi prometido a um Estados Unidos diverso, multicultural e cosmopolita. O tronco do Trumpismo nos Estados Unidos, portanto, tem suas bases sociais no ressentimento contra a crescente inclusão cultural das minorias.

Nos últimos trinta anos, temos visto também uma crescente diferenciação territorial dos eleitores. O sul e o centro do país estão cada vez mais republicanos. O nordeste e o oeste, comprometidamente democratas. Enquanto a riqueza é concentrada de maneira desmedida pelos ultrarricos, particularmente sobre as suas costas, as mesmas costas com maior diversidade social e cultural, o sul profundo e o centro-oeste se empobrecem social, cultural e politicamente. Eles são a representação de um passado em que ambas as costas querem se fazer de mortos. Estes distritos do sul e do centro-oeste são os que dão a Trump uma agenda política. Eles são a sua cabeça.

Há 150 anos, Abraham Lincoln pronunciava um de seus discursos mais famosos, que afirmava que “uma casa dividida contra si mesma não poderia perdurar”. O equilíbrio de poder entre o sul escravista e o norte "livre" havia atingido o seu ponto de ruptura constitucional. Em 1856, tanto o sul quanto o norte sabiam que o futuro pertencia a uma nação escravista ou a uma nação sem escravos. A crise que divide hoje os Estados Unidos está longe de ter essa profundidade constitucional, mas é igualmente insustentável. O trumpismo, assim como o cesarismo em Gramsci, promete uma revolução cultural para manter a desigualdade e, simultaneamente, devolver aos eleitores brancos o seu status cultural que fora perdido. Não lhes promete dinheiro, mas respeito, o qual será redistribuído a partir das minorias norte-americanas.

“Não lhe importa as reações”
Gabriel Puricelli
Analista Internacional do Laboratório de Políticas Públicas 
GABRIEL PURICELLI

Após o discurso de ontem, se ele fosse membro da OTAN, estaria muito preocupado. Ninguém menos do que o presidente dos Estados Unidos disse que seu país está jogando fora dinheiro para proteger outros países que não retornam nada em troca. As consequências podem ser complicadas para a União Europeia, que se esvaece com o Brexit e enfrenta eleições, nas quais o projeto político dos partidos democratas liberais e socialdemocratas, vigente desde o pós- guerra, pode cambalear. Os aliados dos Estados Unidos deveriam estar preocupados com a possibilidade de serem abandonados, e aqueles que não são aliados, deveriam estar preparados para lidar com um governo que não terá vontade de administrar tensões de maneira política assim como todos os presidentes desde Richard Nixon em diante tiveram. No caso da China, ontem ficou claro que as tensões bélicas no Mar da China Meridional e no Estreito de Taiwan crescem, particularmente, a níveis de alerta quase vermelho, embora não creia que isso tenha consequências globais.

Trump expôs ontem um discurso tão radical quanto o que utilizou para a campanha. Ele mostrou que não tem nenhum incentivo para moderá-lo, apesar das muitas manifestações de desejo que, nesse sentido, foram expressas a partir de seu triunfo. Ele não atenuou o tom em nenhum aspecto, nem no protecionismo, nem na xenofobia, nem no que diz respeito aos ataques contra as referências dos direitos civis. Demonstrou que não lhe importa nada as reações que provoca. O caso mais eloquente foi quando disse que acabou o momento dos políticos “sem ação”, ou seja, que têm atitude de pura conversa fiada, em referência direta à polêmica mantida com o ativista afro-americano e senador da Geórgia, John Lewis.

Traduzido do espanhol por Henrique Denis Lucas. Acesse a versão original, clicando aqui.

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos – Notícias – Segunda-feira, 23 de janeiro de 2017 – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.