«Somente a turba e a elite podem ser atraídas pelo ímpeto do totalitarismo. As massas precisam ser ganhas por propaganda.»

(Hannah Arendt [1906-1975] – filósofa alemã de origem judaica, uma das mais influentes do séc. XX)

Quem sou eu

Jales, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

domingo, 31 de dezembro de 2017

Uma Igreja sem a Eucaristia!

A imensa maioria da população da Amazônia não
tem possibilidade de participar da Eucaristia

Entrevista com Dom Erwin Kräutler
Bispo emérito da Prelazia do Xingu

Luis Miguel Modino
Religión Digital

Sínodo da Pan-Amazônia buscará escutar a voz dos povos indígenas:
«O objetivo é buscar novos caminhos de evangelização e
preservação da natureza»
DOM ERWIM KRÄUTLER

A vida e missão de Dom Erwin Kräutler estão profundamente unidas à Amazônia brasileira. Nascido na Áustria, o religioso da Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue, chegou à Prelazia do Xingu em 1965. Depois de trabalhar como sacerdote na região, foi ordenado bispo em janeiro de 1981, sendo bispo titular da maior circunscrição eclesiástica do Brasil, com uma extensão de 311.000 quilômetros quadrados, até 2016.

Ao longo de seu ministério episcopal, desempenhou e continua desempenhando diferentes trabalhos a serviço da Igreja do Brasil e dos povos da Amazônia. Foi por muitos anos presidente do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e da Comissão Missionária da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), participou como delegado das Conferências do CELAM em Santo Domingo e Aparecida, assim como do Sínodo da Igreja na América.

Atualmente, é Secretário da Comissão Episcopal para a Amazônia (entidade que faz parte da CNBB), assim como Presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) no Brasil.

Para além desses serviços, o que sempre prevaleceu na vida de Dom Kräutler, é seu compromisso profético na luta pelos direitos das comunidade camponesas e indígenas e pela preservação ambiental na região amazônica, campo em que atuou junto a uma das mártires da Amazônia, a irmã Dorothy Stang, brutalmente assassinada em fevereiro de 2005.

O bispo emérito do Xingu, tampouco, calou-se diante do abuso sexual de meninas e adolescentes por parte de alguns políticos, da execução de menores, das práticas dos grandes proprietários de terra que incluíam trabalho escravo, assim como, contra a construção de um dos mega projetos com maior impacto ambiental na região amazônica, como é a hidrelétrica de Belo Monte, que acabou com a vida de muitas comunidades indígenas e camponesas.

Tudo isso provocou ameaças contra sua vida, que se concretizaram em uma tentativa de assassinato em 1987, em uma das estradas da região, onde morreu um sacerdote que o acompanhava, e no fato de viver durante muitos anos sob proteção policial.
Dom Kräutler com indígenas de sua região na Amazônia

A partir de tudo isso, podemos afirmar que Dom Kräutler terá um papel destacado no Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazônia, que o Papa Francisco convocou para outubro de 2019 e que já está em fase de preparação. O prelado considera o Sínodo como «algo inédito», com o qual «sonhávamos», algo que nasce de «uma profunda admiração, um profundo carinho pela Amazônia» por parte do Papa Francisco.

Em sua opinião, o Sínodo será um momento para refletir sobre alguns assuntos cada vez mais presentes na vida da Igreja da Amazônia. Um deles é a celebração da Eucaristia nas comunidades, aspectos sobre o qual falou em uma entrevista com o Papa Francisco em abril de 2014.

Dom Kräutler afirma na entrevista que «para essa gente a Eucaristia converte-se em algo estranho, que não conhecem, não tem uma relação íntima com a Eucaristia», o que não é muito consequente levando em conta que «o específico de nossa fé católica é a Eucaristia, e uma comunidade que não tem Eucaristia, até nos documentos conciliares, nos documentos dos papas, se diz que não existe comunidade cristã, a não ser ao redor da mesa da Eucaristia».

Nesse sentido, o bispo assinala que «não se trata de celibato sim ou celibato não, o problema não está nesse ponto. O problema é que temos uma Igreja na qual a imensa maioria da população da Amazônia não tem possibilidade de participar da Eucaristia». Por isso, esta será uma das questões  que, com grande certeza, deverá fazer parte das discussões sinodais, assim como de sua preparação.

Ao mesmo tempo, a entrevista manifesta o destacado papel que os povos indígenas terão no Sínodo, a quem «vamos escutá-los, como temos escutado a quem participou dos seminários da REPAM» [Rede Eclesial Pan-Amazônica]. Não podemos esquecer que o Sínodo será um novo passo numa dinâmica iniciada com o Concílio Vaticano II e que se acentuou com a Laudato Si’ [Carta Encíclica de Papa Francisco].

Eis a entrevista:
Dom Erwin Kräutler de barco pelo rio Amazonas

O que se pode supor do Sínodo para a Igreja da Amazônia?

Dom Erwin Kräutler: Em primeiro lugar, que o Papa tomasse a iniciativa de convocar o Sínodo, para nós é algo inédito. De fato, sonhávamos com isso, pois sabemos que a Amazônia é algo especial, que não se pode comparar com nada em todo o mundo. Sabemos também que os problemas da Amazônia e a caminhada da Igreja na Amazônia têm algo de especial. Hoje, nós enfrentamos grandes desafios.
Descobrimos que o Papa, desde o princípio, tem uma profunda admiração, um profundo carinho pela Amazônia. Eu estive com o Papa em 4 de abril de 2014, e nesse momento eu mudei. Fui como Secretário da Comissão Episcopal para a Amazônia (entidade que integra a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), e falamos sobre a Amazônia, sobre os povos indígenas, sobre todos os assuntos que se referem a essa macro região.

E nessa entrevista, o senhor falou com o Papa sobre como resolver o problema da celebração eucarística nas comunidades. Pode ser esse um dos temas do Sínodo?

Dom Erwin Kräutler: Pode ser. Quando o Papa convocou o Sínodo, disse que o objetivo do Sínodo seria buscar novos caminhos de evangelização, com um enfoque especial para os povos indígenas, e a preservação da Amazônia com respeito à natureza, à criação. Nesse ponto, a Amazônia tem uma função específica e peculiar para o Planeta Terra, tem uma função reguladora do clima planetário. Dentro desse contexto, para mim existem três pontos importantes.
Naquele dia em que estive com ele, falei-lhe com clareza sobre a escassez de clero, que na Amazônia 70% das comunidades têm Eucaristia três ou quatro vezes por ano, ou talvez menos. Quando se fala de novos caminhos de evangelização, essa será uma das perguntas, como podemos resolver essa situação, pois para essa gente, a Eucaristia converte-se em algo estranho, que não conhecem, não tem uma relação íntima com a Eucaristia, não sabem mais qual é a diferença entre o culto dominical da Igreja Católica e o culto da Igreja evangélica.
O específico de nossa fé católica é a Eucaristia, e uma comunidade que não tem Eucaristia, até nos documentos conciliares, nos documentos dos Papas, se diz que não existe comunidade cristã a não ser ao redor da mesa da Eucaristia. Como ficará isso, esse é o ponto de partida, não se trata de celibato sim ou celibato não, o problema não está nesse ponto. O problema é que temos uma Igreja na qual a imensa maioria da população da Amazônia não tem possibilidade de participar da Eucaristia.
Isso é o que eu disse ao Papa, diante do que ele me perguntou qual seria minha solução. Eu lhe disse, Santo Padre, não teria agora uma opinião a respeito, e tampouco estou aqui para fazer propostas. Ele disse que existem algumas ideias interessantes, porém que está esperando propostas corajosas dos bispos. Ela já havia falado sobre isso aos bispos no Brasil e disse-o novamente a mim. 
Dom Erwin Kräutler com Papa Francisco
Alguns bispos já estão fazendo essas propostas. Em uma recente entrevista com Dom Pedro Conti, bispo de Macapá, ele me dizia que está esperando um sinal positivo para começar esta experiência.

Dom Erwin Kräutler: De fato existem. Essa não é uma ideia minha. Às vezes pensam que é algo meu, pois estive com o Papa e estou aqui na Comissão Episcopal para a Amazônia, onde sou Secretário, assim como responsável pela REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazônica) aqui no Brasil. Muitos bispos falam sobre isso, mesmo que seja verdade que o modo de levá-lo a cabo mude. Como vamos concretizar isso, é algo que fica para o Sínodo.

Isso poderia levar-nos a reconhecer que a Eucaristia tem uma dimensão comunitária, que forma parte da própria comunidade e não é algo exclusivo do ministério ordenado?

Dom Erwin Kräutler: Não, o ministério ordenado [o padre] está em função da comunidade, e não podemos separar as duas coisas. Isso quer dizer que eu não sou padre ou bispo para mim, eu sou bispo em função do Povo de Deus, ou a favor do Povo de Deus. Fui ordenado padre para poder presidir a Eucaristia, e a Eucaristia é o momento mais alto, o cume, o centro de nossa fé, o momento mais elevado de toda a vida da comunidade.

Neste Sínodo, qual é o papel que a REPAM pode ter?

Dom Erwin Kräutler: Por aquilo que eu saiba, o próprio Secretário dos Sínodos, que é o ex-núncio apostólico aqui no Brasil, o cardeal Baldisseri, espera que ajudemos na preparação do Sínodo.

E qual pode ser o papel dos povos indígenas?

Dom Erwin Kräutler: Como já disse, o Sínodo pretende buscar novos caminhos de evangelização com enfoque específico para os povos indígenas, e nós não vamos fazer nada para os povos indígenas sem escutá-los.

Haverá essa possibilidade?

Dom Erwin Kräutler: Claro que haverá.

Na preparação prévia?

Dom Erwin Kräutler: Eu estou pensando na preparação prévia, vamos escutá-los, como temos escutado a quem participou dos seminários da REPAM, por isso é algo somente preliminar, é o início das discussões, logicamente, vamos ouvir os povos indígenas.
Porém, temos de pensar que não são apenas os povos indígenas do Brasil, aí incluem-se os povos indígenas do Peru, do Equador, onde são maioria, Bolívia, Colômbia, Venezuela, as três Guianas, que formam parte da Amazônia, aí também há povos indígenas. Talvez estejam em outra situação, porém os povos indígenas serão ouvidos.

Do mesmo modo que o Documento de Santarém marcou um antes e um depois na evangelização da Amazônia brasileira, o Sínodo pode marcar um antes e um depois na vida da Igreja da Amazônia?

Dom Erwin Kräutler: Santarém é algo que não se pode entender sem o contexto anterior, que era o Concílio Vaticano II e Medellín. Depois, os bispos da Amazônia se reuniram e disseram, a partir de agora, apostar em uma evangelização encarnada, na perspectiva da libertação do Povo de Deus, com quatro prioridades.
A primeira prioridade foi as comunidades, naquele tempo, chamadas de comunidades eclesiais de base, depois, a formação dos leigos e leigas. A terceira prioridade, naquele tempo, já foi a questão indígena, recordando que em 1972, naquele mesmo ano, foi fundado o CIMI (Conselho Indigenista Missionário), e o quarto ponto foi o dos mega projetos. Imaginemos que, em 1972, já se falava de mega projetos, que começaram com a rodovia Transamazônica e a Perimetral Norte.
Hoje, estamos em um momento de auge dos mega projetos, que são um insulto à Amazônia, um golpe no coração da Amazônia e, logicamente, também um golpe para os povos da Amazônia, indígenas, ribeirinhos, pescadores, coletores de látex, todos os povos tradicionais, porém, sobretudo, para os povos indígenas, parte dos quais, todavia, vivem sem contato voluntário.
Dom Erwin Kräutler na Amazônia ferida pela destruição e ganância

O Sínodo será um bom momento para concretizar ainda mais a Laudato Si’ na Amazônia?

Dom Erwin Kräutler: Sem dúvida, não podemos entender o Sínodo sem a Laudato Si’, pois tem um enfoque para a Amazônia. Os parágrafos 37 a 38 falam da Amazônia, assim como os 145 a 146 que falam sobre os povos indígenas. Foi, em parte, consequência de minha conversa com o Papa.

Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: Religión Digital – América – Quinta-feira, 28 de dezembro de 2017 – 22h37 (Horário Centro Europeu) – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.