«Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio – e eis que a verdade se me revela.»

(Albert Einstein [1879-1955] – físico teórico alemão, um dos mais ilustres cientistas do mundo)

Quem sou eu

Jales, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

sábado, 3 de março de 2018

3º Domingo da Quaresma – Ano B – Homilia

Evangelho: João 2,13-25

13 Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém.
14 No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas, pombas e os cambistas que estavam aí sentados.
15 Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas.
16 E disse aos que vendiam pombas: «Tirai isto daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!»
17 Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: «O zelo por tua casa me consumirá».
18 Então os judeus perguntaram a Jesus: «Que sinal nos mostras para agir assim?»
19 Ele respondeu: «Destruí, este Templo, e em três dias o levantarei.»
20 Os judeus disseram: «Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?»
21 Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo.
22 Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele.
23 Jesus estava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais que realizava, muitos creram no seu nome.
24 Mas Jesus não lhes dava crédito, pois ele conhecia a todos;
25 e não precisava do testemunho de ninguém acerca do ser humano, porque ele conhecia o homem por dentro.

JOSÉ ANTONIO PAGOLA

A COISA MAIS IMPORTANTE

Todos os evangelhos fazem eco de um gesto audacioso e provocativo de Jesus dentro do recinto do Templo de Jerusalém. Provavelmente, não foi muito espetacular. Jesus deve ter atropelado um grupo de vendedores de pombas, revirou as mesas de alguns cambistas e interrompeu a atividade durante alguns momentos. Não pôde fazer muito mais que isso.

No entanto, aquele gesto carregado de força profética foi o que desencadeou sua detenção e rápida execução. Atacar o Templo era atacar o coração do povo judeu: o centro de sua vida religiosa, social e política. O Templo era intocável. Ali habitava o Deus de Israel. O que seria do povo sem sua presença entre eles? Como poderiam sobreviver sem o Templo?

Para Jesus, porém, era o grande obstáculo para acolher o Reino de Deus tal como ele o entendia e proclamava. Seu gesto colocava em questão o sistema econômico, político e religioso sustentado a partir daquele «lugar santo». O que era aquele templo? Sinal do Reino de Deus e de sua justiça ou símbolo de colaboração com Roma? Casa de oração ou armazém dos dízimos e primícias dos camponeses? Santuário do perdão de Deus ou justificação de todo tipo de injustiça?

Aquilo era um «covil de ladrões». Enquanto ao redor da «casa de Deus» se acumulava a riqueza, nas aldeias crescia a miséria de seus filhos. Não. Deus não legitimaria jamais uma religião como aquela. O Deus dos pobres não poderia reinar a partir daquele Templo. Com a chegada de seu reinado, perdia sua razão de ser.

A atuação de Jesus coloca em prontidão seus seguidores e nos obriga a perguntar-nos pela religião que estamos cultivando em nossos templos (igrejas). Se não está inspirada por Jesus, pode se converter em uma maneira «santa» de fechar-nos ao projeto de Deus que Jesus queria impulsionar no mundo. A primeira coisa não é a religião, mas o Reino de Deus.

Que religião é a nossa?
Ela faz crescer nossa compaixão pelos que sofrem ou nos permite viver tranqüilos em nosso bem-estar?
Alimenta somente nossos próprios interesses ou nos põe a trabalhar por um mundo mais humano e habitável?
Se a nossa religião se parece com aquela do Templo judeu, Jesus não a abençoaria.

O CULTO AO DINHEIRO

Há algo alarmante em nossa sociedade que nunca denunciamos o bastante. Vivemos em uma civilização que tem como eixo de pensamento e critério de atuação a secreta convicção de que o importante e decisivo não é o que uma pessoa é, mas o que ela tem. Se disse que o dinheiro é «o símbolo e ídolo de nossa civilização» (Miguel Delibes: 1920-2010 – escritor e jornalista espanhol). De fato, a maioria lhe rende seu ser e sacrifica toda a sua vida por ele.

John Galbraith (1908-2006), o grande teórico do capitalismo moderno, descreve assim o poder do dinheiro em sua obra A Sociedade da Abundância: o dinheiro «traz consigo três vantagens fundamentais: primeiro, o gozo de poder que concede ao homem; segundo, a posse real de todas as coisas que podem ser compradas com dinheiro; terceiro, o prestígio ou respeito de que goza o rico graças a sua riqueza».

Quantas pessoas, mesmo que não se atrevam a confessá-lo, sabem que em sua vida, em um grau ou outro, o decisivo, o importante e definitivo, é ganhar dinheiro, adquirir bem-estar material, obter prestígio econômico.

Aqui reside, sem dúvida, uma das falências mais graves de nossa civilização. O homem ocidental tornou-se, em boa parte, MATERIALISTA e, apesar de seus belos discursos sobre a liberdade, a justiça ou a solidariedade, não crê em outra coisa a não ser o dinheiro.

E, no entanto, há pouca gente feliz:
* Com dinheiro pode-se construir uma casa agradável, porém não se pode criar um lar acolhedor.
* Com dinheiro, pode-se comprar uma cama confortável, porém não um sono tranquilo.
* Com dinheiro pode-se adquirir novos relacionamentos, porém não despertar uma verdadeira amizade.
* Com dinheiro pode-se comprar prazer, porém não felicidade.
* Nós, que temos fé, devemos nos recordar de algo mais. O dinheiro abre todas as portas, porém nunca abre a porta de nosso coração a Deus.

Nós cristãos não estamos acostumados com a imagem de um Messias chicoteando as pessoas. E, contudo, essa é a reação de Jesus ao encontrar-se com homens que, inclusive no Templo, não sabem buscar outra coisa que não seja o seu próprio negócio.

O templo deixa de ser lugar de encontro com o Pai quando nossa vida é um mercado onde somente se rende culto ao dinheiro. E não pode haver uma relação filial com Deus Pai, quando nossas relações com os demais estão intermediadas somente por interesses de dinheiro. Impossível entender algo do amor, da ternura e da acolhida de Deus quando alguém somente vive buscando bem-estar.

Não se pode servir a Deus e ao Dinheiro!

Traduzido do espanhol por Telmo José Amaral de Figueiredo.

Fonte: Sopelako San Pedro Apostol Parrokia – Sopelana – Bizkaia (Espanha) – J. A. Pagola – Ciclo B – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.