«Quem em uma situação como esta, de injustiça social e repressão criminal, escolher o caminho da passividade e erguer a bandeira hipócrita da imparcialidade política torna-se cúmplice do mal.»

(Silvio José Báez – bispo-auxiliar de Manágua, Nicarágua, clamando contra a violência e repressão do governo de Daniel Ortega)

Quem sou eu

Jales, SP, Brazil
Sou presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana. Fui ordenado padre no dia 22 de fevereiro de 1986, na Matriz de Fernandópolis, SP. Atuei como presbítero em Jales, paróquia Santo Antönio; em Fernandópolis, paróquia Santa Rita de Cássia; Guarani d`Oeste, paróquia Santo Antônio; Brasitânia, paróquia São Bom Jesus; São José do Rio Preto, paróquia Divino Espírito Santo; Cardoso, paróquia São Sebastião e Estrela d`Oeste, paróquia Nossa Senhora da Penha. Sou bacharel em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arq. de Ribeirão Preto (SP); bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. da Assunção; Mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (Itália); curso de extensão universitária em Educação Popular com Paulo Freire; tenho Doutorado em Letras Hebraicas pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, realizo meu Pós-doutorado na PUC de São Paulo. Estudei e sou fluente em língua italiana e francesa, leio com facilidade espanhol e inglês.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Obra inédita de Freud

Manuscrito de Freud faz leitura psicanalítica
inédita da figura de Cristo

Alexandre Socha

Texto feito em parceria com embaixador americano tem como
pano de fundo o messianismo na política
O psicanalista SIGMUND FREUD posa para o escultor Oscar Nemon, em Viena, em 1931
Foto: Associated Press

O espólio de Sigmund Freud (1856-1939) parece às vezes inesgotável. De tempos em tempos surge algo até então desconhecido: rascunhos, cartas, passagens, apêndices etc. Tais achados despertam interesse por revelarem rastros da construção de um dos principais edifícios conceituais do século 20. Poucos, no entanto, são tão relevantes como o manuscrito encontrado pelo historiador Paul Roazen em 2004.

Em meio a uma série de documentos do embaixador americano William C. Bullitt (1891-1967), Roazen encontrou 24 páginas escritas em alemão gótico com a caligrafia de Freud, além de extensa missiva que comprova sua autoria.

Após publicação em diversas línguas, o texto aparece agora pela primeira vez em português, em edição bilíngue e traduzido diretamente do original pela psicanalista Elsa Vera Kunze Post Susemihl no livro "Manuscrito Inédito de 1931" (Blucher).

Por seu valor histórico, as páginas já teriam lugar garantido na estante freudiana, por trazerem novas evidências para um dos capítulos mais obscuros da produção de Freud: sua colaboração com o diplomata em um livro sobre Thomas Woodrow Wilson (1856-1924), 28º presidente dos Estados Unidos.
WILLIAM C. BULLITT

A importância do manuscrito, porém, transcende esse contexto, entre outros motivos, por conter uma leitura psicanalítica inédita do simbolismo da figura de Jesus Cristo.

Sua origem remete à participação desastrosa de Wilson no fracasso do Tratado de Versalhes (1919). Embora proclamasse trazer à Europa a paz definitiva, o americano logo cedeu às exigências revanchistas dos países aliados na dissolução dos impérios centrais, criando condições para o surgimento de regimes totalitários e a eclosão da Segunda Guerra.

Em ensaio publicado no livro "O Momento Supremo", Stefan Zweig descreve as expectativas messiânicas que o encobriam: "Wilson, como outro Moisés, daria aos povos enlouquecidos pela guerra as tábuas de uma nova lei. Em poucas semanas seu nome havia adquirido um significado religioso, redentor".

Filho e neto de pastores presbiterianos, Wilson designava-se eleito por Deus para o cargo que ocupava. Acreditava-se em missão para salvar a humanidade, levando a paz perpétua a toda a Europa. Porém, nunca havia saído de seu país, não falava língua estrangeira e exibia um desconhecimento geográfico e político constrangedor.

Freud o comparava ao "deplorável benfeitor que quer devolver a visão a um paciente, mas não conhece a estrutura do olho e esqueceu-se de aprender os métodos cirúrgicos necessários".

Bullitt e Freud já contavam uma década de amizade quando, em 1930, o diplomata mencionou sua intenção de escrever um livro sobre o tema. Ele havia integrado a delegação americana na conferência de paz; foi um crítico contumaz do seu desenlace e, principalmente, do papel desempenhado por Wilson.

A proposta interessou Freud, e o fato de Bullitt possuir farta documentação e testemunhos diretos sobre um estadista de tamanho vulto no cenário mundial certamente soou atraente.

Em pouco tempo um primeiro esboço do livro foi elaborado. O projeto, entretanto, foi bruscamente interrompido quando Bullitt se recusou a incluir passagens escritas por Freud e a divergência virou impasse.

A retomada ocorreria anos mais tarde, durante o exílio do psicanalista em Londres. Adoecido e abatido por inúmeras perdas, ele aceitou a edição, com exclusão dos trechos controversos.

A publicação de "Thomas Woodrow Wilson: Um Estudo Psicológico" deu-se em 1966, alguns anos após a morte da viúva de Wilson, conforme havia sido acordado entre Bullitt e Freud à época da produção — já que a obra continha passagens que poderiam afetar sua vida pessoal.

Segundo pesquisas realizadas por Roazen e outros, o manuscrito encontrado em 2004 é justamente o texto de Freud recusado por Bullitt, destinado a ser o primeiro capítulo da obra sobre Wilson. Em comparação com a versão de 1966, são páginas inteiras suprimidas, além de numerosas alterações que deformaram a proposta original.
THOMAS WOODROW WILSON
28º Presidente dos Estados Unidos de 1913 a 1921
 

Não por acaso o livro foi recebido com reservas e cercado de desconfiança no meio psicanalítico. Levantaram-se dúvidas sobre a participação de Freud e sobre a natureza de sua colaboração. No entanto, o manuscrito de 1931 comprova que o psicanalista não estava tão alheio ao projeto quanto se pensou.

Nele, Freud oferece uma exposição clara de sua teoria, com um encadeamento sistemático de ideias e conceitos. O texto pode ser considerado uma boa introdução ao seu pensamento.

Preparando terreno para os capítulos seguintes (como enfatiza: um estudo psicológico, e não uma psicanálise de Wilson), o autor traça linhas gerais que convergem em uma investigação cuidadosa do complexo de Édipo, na qual relaciona conflito entre tendências masculinas e femininas, Jesus Cristo, cristianismo e homossexualidade.

Cabe lembrar que Freud se refere a componentes do psiquismo e da libido, não se reduzindo a mero determinismo biológico.

É provável que aí esteja o principal motivo para a divergência com Bullitt — cristão fervoroso e pouco propenso a polêmicas que afetassem sua carreira diplomática —, mas é preciso também cogitar alguma relutância do próprio Freud em ver tais ideias publicadas.

Embora já houvesse abordado inúmeras vezes o tema da religião, e até de modo mais contundente, o começo dos anos 30 era um momento particularmente delicado para atrair a antipatia católica. Freud esperava que a Igreja, sua velha inimiga, pudesse barrar a barbárie que se aproximava. Como se sabe, a instituição nada pôde frente ao avanço nazista, que ironicamente trazia em suas bandeiras a inscrição "Gott mit uns" (Deus está conosco).

As reflexões do manuscrito de 1931, embora toquem na pedra fundamental do cristianismo, têm como pano de fundo o estudo sobre a personalidade de Thomas Woodrow Wilson. No interesse de Freud pelo presidente sobressai não tanto o caso clínico, mas a dimensão política e social que representou.

O livro escrito com Bullitt, em que pese seus muitos defeitos, pode ser lido como a tentativa de apreender o gradual enlouquecimento de um estadista em pleno exercício de suas funções, encenando suas neuroses num palco mundial.

A certeza de uma predestinação divina que caracteriza o messianismo político realça o sentimento de estar em posse da única verdade possível e de que seus atos são sempre corretos, visto que orientados por Deus.

O messianismo latente do "God Bless America" e a luta conflagrada entre bem e mal absolutos parecem se conjugar facilmente a um conservadorismo belicoso e à exaltação de uma figura autoritária, ainda que esta possa ser uma paródia de autoridade, como à que nos remete Donald Trump.

Talvez não precisemos olhar para o quintal do vizinho para enxergar tal fenômeno. Algumas ideias de Freud se prestam a transposições entre uma psicologia individual e uma psicologia das massas. Também aqui podemos tomá-las como um instrumental reflexivo para os diversos fanatismos de aspiração messiânica que vemos em nossa conjuntura política, cada vez mais carregada de ares evangélicos, bem como um antídoto aos fanatismos que habitam o foro íntimo de cada ser humano.

Algumas das concepções de Freud talvez tenham sido consideradas por Bullitt inconvenientes ou excessivas ao puritanismo do leitor americano de seu tempo. Frente ao que vivemos em nosso cenário político e cultural, resta saber como elas serão hoje recebidas.

L I V R O

MANUSCRITO INÉDITO DE 1931
Autor: Sigmund Freud
Editora: Blucher
Tradução: Elsa Vera Kunze Post Susemihl
Preço: R$ 40 (120 págs., edição bilíngue)

Fonte: Folha de S. Paulo - Ilustríssima – Sábado, 9 de junho de 2018 – 02h00 (Horário de Brasília – DF) – Internet: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.